Posts de 7 de dezembro de 2012

Ganso está irritado com a reserva. Diretoria contrariada com Ney Franco. E Juvenal perdoa Luís Fabiano, seu companheiro no camarote. Esse é o clima no São Paulo para a final contra o Tigre…

getty1 Ganso está irritado com a reserva. Diretoria contrariada com Ney Franco. E Juvenal perdoa Luís Fabiano, seu companheiro no camarote. Esse é o clima no São Paulo para a final contra o Tigre...
Seu modo de protestar é o silêncio.

Ele se fecha e fica quieto.

Somem as risadas, as conversas.

Quem conhece Paulo Henrique Ganso sabe como se comporta.

E o meia não gostou nada de não ter jogado contra o Tigre.

Ney Franco não o colocou em campo nem por um minuto.

Justo quando o jogador está no melhor da sua recuperação física.

Ganso era um dos mais animados na concentração depois da vitória diante do Corinthians.

Tinha certeza que seria utilizado na Argentina.

Jogaria a sua primeira final com a camisa do São Paulo.

Não importava se Jadson começasse o jogo.

Tinha certeza que, contra cinturas duras do meio de campo do Tigre, iria se impor.

Mas veio a expulsão de Luís Fabiano, o tempo foi passando.

Ganso percebendo o quanto os argentinos só tinham força e altura.

Mas Ney Franco queria saber de manter o empate.

Mesmo vendo o São Paulo sendo envolvido no segundo tempo.

Não quis colocar Ganso.

O meia voltou para o Brasil decepcionado.

É de sua personalidade.

Quando contrariado, ele se fecha.

No Santos era uma das características que os técnicos tinham de tolerar.

Neymar se transformava no defensor de suas causas.

Era quem procurava os técnicos para levar as queixas de Ganso.

Foi por causa deles, por exemplo, que Adilson Batista teve vida curta na Vila Belmiro.

Os queria participativos demais na marcação.

E a dupla não tolerou essa maneira de jogar.

A rejeição se propagou por todo o time.

Dorival Júnior e Muricy conheceram bem Ganso.

E faziam questões de longas conversas individuais com ele.

É o que Ney Franco precisa fazer.

Paulo Henrique tem de se sentir valorizado.

A direção do São Paulo também ficou incomodada com o técnico.

Ninguém entendeu o motivo dele não colocar sequer um atacante de referência no banco.

Luís Fabiano aprontou de novo, foi expulso.

E Willian José e Ademílson foram para a Argentina só para comer alfajores.

Desta vez, Rogério Ceni não vai se envolver na escalação.

Sutilmente destacou que Cícero, outra vez ele, foi muito bem, resolveu não ir a fundo.

"Da última vez que falei, foi um carnaval.

Agora é com o Ney."

Embora conselheiros estejam espalhando que Luís Fabiano foi multado, não foi.

Juvenal Juvencio não quis problemas com o temperamental jogador.

Mais uma vez ele foi perdoado por uma expulsão que prejudicou o São Paulo.

É a maneira com Juvenal lida com os ídolos no Morumbi.

Se fosse alguém sem prestígio seria até afastado.

Como é Luís Fabiano terá um lugar especial na próxima quarta-feira.

Ficará no camarote ao lado do presidente.

Talvez esse tratamento especial fez com que nunca mudasse.

Quando bate a vontade de dar um pontapé em alguém, Luís Fabiano dá.

"Não levo desaforo para casa", repete como um mantra.

Com a cobertura de Juvenal Juvencio é fácil.

Pior para o São Paulo...

Marco Polo Del Nero tinha ciúmes da namorada, ex-modelo e jornalista Carol Galan. Por isso contratou detetives particulares. E acabou detido na operação Durkheim. Sorte de seu inimigo Andrés Sanchez…

reproducao21 Marco Polo Del Nero tinha ciúmes da namorada, ex modelo e jornalista Carol Galan. Por isso contratou detetives particulares. E acabou detido na operação Durkheim. Sorte de seu inimigo Andrés Sanchez...
O Comitê de Ética da Fifa pode sossegar.

Não há nenhum esquema espetacular.

Nem ligação criminosa de alta periculosidade.

Lavagem de dinheiro, formação de quadrilha, assassinato.

Nada disso.

Só ciúmes.

O vice da CBF e presidente da FPF, Marco Polo Del Nero tinha muito ciúmes.

Estava desconfiado de sua namorada, Carolina Galan.

Acreditava que ela o traía.

Afirmou isso com todas as letras à Polícia Federal.

E por isso contratou detetives particulares para segui-la.

Foi além, quis saber para quem ela telefonava.

Com quem trocava e-mails.

Por essa razão, contratou uma agência de detetives particulares.

A vida de Carolina passou a ser toda monitorada.

Esse foi o depoimento de Marco Polo à Polícia Federal.

Ele, Polo, teve sua casa invadida por policiais no dia 26 de novembro.

Era madrugada.

Precisou entregar seu computador Sony e IPad.

Foi conduzido a depor.

Marco Polo acabou nas teias da operação Durkheim.

A Polícia Federal estava havia meses investigando um grupo de criminosos.

Ele era especializado na quebra de sigilos telefônicos e bancários.

Dezenas de pessoas tiveram suas vidas devassadas pelo grupo.

Entre elas várias do Tribunal de Justiça de São Paulo.

O ex-secretário de Reforma do Judiciário, Sergio Renault.

O prefeito de Santo André, Aidan Ravin.

E até o ex-jogador da seleção e do Corinthians Luizão.

A Polícia Federal chegou ao presidente por causa da Federação Paulista.

Era para os computadores da entidade que chegavam os e-mails dos detetives.

Marco Polo afirmou, logo depois do ocorrido, que estava tranquilo.

Não havia nada com o futebol a investigação que realizava.

O dirigente garantiu à PF não saber que a devassa dos detetives era ilegal.

Carolina é repórter da TV FPF.

Trabalha ainda como apresentadora da Rede Vida.

O namoro já dura dois anos e meio.

Toda a apuração dos detetives particulares era enviada por e-mail ao presidente.

O endereço: presidencia@fpf.org.br.

Marco Polo circulava com sua namorada em todas as cerimônias esportivas.

Até mesmo no palanque para a entrega de troféus a campeões paulistas.

Carolina foi modelo antes de trabalhar como jornalista e apresentadora.

Ela é bem mais jovem do que Marco Polo.

Diante da revelação, o Conselho de Ética da Fifa deve se calar.

O presidente Joseph Blatter garantiu que acompanharia o caso.

Mas não esperava por esse desfecho surpreendente.

Que o vice-presidente da CBF estava com ciúmes.

E precisou contratar detetives particulares para seguir Carolina.

Antes da revelação do motivo das investigações, Marco Polo viajou.

Foi ontem ao Japão participar de reuniões da Fifa.

Lá poderá explicar a Blatter o que aconteceu.

Muitos homens que comandam o futebol mundial também namoram mulheres mais novas.

E sabem que não é nada fácil.

A empolgação, muitas vezes, vira preocupação.

Foi o que aconteceu com o ciumento Marco Polo e sua Carol.

A situação constrangedora o faz perder muito prestígio.

Além de mentor, Marco Polo pretende suceder Marin como presidente da CBF.

Andrés Sanchez foi derrubado por ele do cargo de diretor de seleções.

E está trabalhando já para brigar pela sucessão de Marin.

Ganhou um grande trunfo com a devassa na vida pessoal do seu inimigo.

O vice da CBF está enfraquecido.

Presidentes indecisos de várias federações podem bandear para o lado de Andrés.

Ah, o amor...

ae110 Marco Polo Del Nero tinha ciúmes da namorada, ex modelo e jornalista Carol Galan. Por isso contratou detetives particulares. E acabou detido na operação Durkheim. Sorte de seu inimigo Andrés Sanchez...

O Palmeiras perdeu Dida. Teve toda a chance de contratar um líder e um grande goleiro. Mas a diretoria esperou demais. E foi passada para trás por Luxemburgo, pelo Grêmio. Outro fracasso…

a1 O Palmeiras perdeu Dida. Teve toda a chance de contratar um líder e um grande goleiro. Mas a diretoria esperou demais. E foi passada para trás por Luxemburgo, pelo Grêmio. Outro fracasso...
O Palmeiras teve Dida nas mãos.

O goleiro estava parado há dois anos.

Recebeu proposta para disputar um campeonato de futebol de areia.

Jogou em uma arena artificial montada na represa de Guarapiranga.

Torneio entre veteranos para preencher grade de televisão.

Sem compromisso algum.

Só que Dida foi bem demais.

Impressionou defendendo o Milan.

Manuel da Lupa sempre acreditou ser importante ter um veterano na Portuguesa.

Com passagem pela Seleção Brasileira e grandes clubes da Europa, melhor.

Gastando pouco, garantiria o retorno de mídia e de torcida.

Roberto Dinamite, Evair e muitos outros passaram pelo Canindé.

Foi assim que fechou com Dida.

O presidente da Portuguesa revelou a amigos que foi uma aposta.

Não teria nada a perder.

Foi exatamente o contrário.

Dida jogou melhor do que todos poderiam imaginar.

Se manteve em forma e, aos 39 anos, foi o líder na vitoriosa missão.

Conseguiu manter o fraco time da Portuguesa na Série A do Brasileiro.

Fez excelentes partidas.

Apesar de os holofotes não terem grande atração pelo clube, o goleiro foi observado.

Foi quando recados de empresários chegaram até o jogador.

Em outubro, quando o Palmeiras já capengava no Brasileiro.

Queriam saber se ele estava disposto a jogar no Palestra Itália.

Dida se mostrou interessado, sim.

Mas as conversas esfriaram.

O vice Roberto Frizzo teve a certeza.

Na hora que quisesse, o Palmeiras fecharia com o goleiro.

Tinha a certeza de que ele ficaria esperando de joelhos...

Rezando, pelo privilégio de jogar no Palestra Itália.

Frizzo não conhece Dida.

Ele sempre foi muito frio, calculista.

Não só dentro do campo.

Mas principalmente fora.

Tanto que já tem a vida financeiramente resolvida.

Joga porque gosta e por encarar como um desafio atuar aos 39 anos.

A direção do Palmeiras não tem confiança nos atuais goleiros.

No intempestivo Deola, considera Bruno sem vibração e sem liderança.

Veio o vergonhoso rebaixamento para a Série B.

Foi a hora de o Palmeiras confirmar a contratação de Dida.

Os dirigentes acreditavam ser fácil demais.

Afinal, o veterano deveria ficar eufórico pela oferta.

Mas a direção que conseguiu rebaixar o Palmeiras colecionou outro fracasso.

Dida havia recebido ligações de Vanderlei Luxemburgo.

Ele o quer no Grêmio, disputando a Libertadores, Campeonato Gaúcho.

E Série A do Brasileiro de 2013.

Não terá de disputar a Segunda Divisão do Brasileiro.

Frio, ao extremo, o goleiro sabe que pode ser a última temporada da sua vida.

Não deseja terminar sua brilhante carreira na elite do futebol do País.

Além disso, ele soube que o Palmeiras poderia ter fechado com ele antes, em outubro.

Não continuaria na Portuguesa para jogar a Segunda Divisão do Campeonato Paulista.

Quanto chegaram novos recados palmeirenses, Dida agradeceu.

E, fiel ao seu estilo, recusou discretamente.

Outra vergonha para a contabilidade palmeirense.

Certos de que o fracasso vazaria para imprensa, o clube agiu.

Resolveu divulgar por twitter que não conta com Dida.

O que é verdade, já que, com um pé e meio no Grêmio, não quis nem negociar com o Palmeiras.

Constrangidos, os dirigentes palmeirenses podem até tentar desmentir.

Mas a cúpula da Portuguesa acompanhou toda a movimentação.

E sabe que os rivais da Água Branca jogaram fora não só um goleiro.

Mas um líder para a bipolar temporada de Libertadores e Segunda Divisão.

Se tivesse agido antes, teria conseguido fechar com o jogador.

Desta vez foi a soberba a desculpa para a incompetência da diretoria.

Imaginava que Dida ficaria de braços cruzados, sonhando com o Palmeiras.

Agora tenta compensar insistindo com Fernando Prass do Vasco.

A administração de Arnaldo Tirone se supera a cada dia...