Posts de 6 de dezembro de 2012

Aconselhado por amigos, Léo resolveu. Vai se calar. Chega de briga com Sheik. E, principalmente, com a torcida do Corinthians. Não quer se expor a agressões…

a2 Aconselhado por amigos, Léo resolveu. Vai se calar. Chega de briga com Sheik. E, principalmente, com a torcida do Corinthians. Não quer se expor a agressões...
Léo resolveu.

Vai seguir o mesmo caminho de Ronaldo e Sheik.

Não, não vai torcer para o Corinthians no Mundial.

Ele foi aconselhado por amigos e familiares a se calar.

Não falar mais sobre a torcida corintiana.

Acabaram as brincadeiras, as provocações.

Ele ironizou a ação de vândalos corintianos no aeroporto de Cumbica.

Quis brincar.

"Quem está acostumado com rodoviária não pode ir a aeroporto.

Destruíram todo o aeroporto,faz parte", disse à ESPN.

Sheik tratou de dar sua resposta.

Quando o Corinthians ainda estava em Dubai.

Humilhou Léo sem tocar no seu nome.

"Porra só pode tá de sacanagem !!!

Quem e você ?

Cala a boca seu merda !!!

Só e lembrado quando abre a boca suja pra falar besteira !!!"

Jogador conhecido por seu gênio forte, Léo iria responder.

Comprar briga com Sheik.

Mas seus amigos logo trataram de o acalmar.

E o lembraram que ele ofendeu toda a torcida corintiana.

Nesses tempos de violência, não valeria a pena continuar a confusão.

As pessoas próximas temiam que Léo acabasse agredido.

E imploraram que recuasse.

Ele percebeu que seria melhor.

E vai fazer como Ronaldo e Sheik.

Os dois resolveram provocar os palmeirenses com o rebaixamento.

O ex-jogador quis fazer graça.

"O time pode ser bicampeão da Segunda Divisão.

Olha que beleza!", falou.

Emerson fingiu sentir pena do clube rival.

"Que dó, que dó da formiguinha."

Os dois foram trucidados nas redes sociais.

Pessoas se dizendo palmeirenses o ameaçaram de agressões.

Ambos ficaram assustados.

Sheik primeiro procurou amenizar.

Se queixou e depois pediu desculpas.

Procurou os jornalistas para se retratar.

"O futebol está perdendo a graça.

Qualquer brincadeira que você faz, levam para o lado negativo, para a maldade."

Isso não bastou.

Teve de ser ainda mais claro.

"Foi uma brincadeira, sem querer ofender a instituição.

Quero deixar bem claro para o torcedor palmeirense e brasileiro.

Não passou de uma brincadeira, como outras que fizeram e outras que virão.

Não foi falta de respeito."

Ronaldo se calou.

Resolveu não falar mais nada sobre o tema.

De jeito nenhum.

Será o mesmo caminho que Léo adotará.

Foi convencido que o melhor é controlar seu gênio forte.

Não prolongar a briga com Sheik.

E principalmente com a torcida corintiana.

Seus amigos e familiares comemoram, aliviados...

(Com medo, no entanto, ele foi além.

Léo pediu desculpas no facebook aos corintianos.

'Que fique bem claro que jamais tive intenção de ofender a torcida adversária.

Muito menos que vai à rodoviária.

Fiz uma piada como muitos fazem e fui infeliz.

Tenho muito respeito pelas organizadas e nunca na minha carreira fiz qualquer comentário sobre elas.

(Os vândalos) São minoria que não representa nada perante a grande maioria que estava fazendo festa."

Agora sim, seus parentes e amigos estão tranquilos.

Principalmente o próprio Léo.)

Muricy e a família de Victor Andrade precisam se acertar. O clima está ficando insustentável para o ‘novo Neymar’ na Vila Belmiro. Que todos se lembrem de Jean Chera…

reproducao11 Muricy e a família de Victor Andrade precisam se acertar. O clima está ficando insustentável para o novo Neymar na Vila Belmiro. Que todos se lembrem de Jean Chera...

O Santos está vivendo um grande problema.

Tem outra promessa nas mãos, Victor Andrade.

E ela entrou em choque com Muricy Ramalho.

O jogador sergipano tem 17 anos.

Meia atacante talentoso, rápido driblador.

Virou presença constante nas seleções de base do Brasil.

Muricy foi alertado pela diretoria que nasceu um novo craque no Santos.

Com potencial de "Neymar, Ganso", comemoram eufóricos conselheiros.

São os mesmos, aliás, que dizia que Jean Chera seria um fenômeno.

A direção do clube se apressou em fechar contrato com o jogador.

E colocou uma multa de 50 milhões de euros.

Cerca de R$ 124 milhões.

Multa maior do que a de Neymar, R$ 112 milhões.

A notícia foi espalhada para afastar empresários.

Representando clubes grandes europeus, eles tentavam contratá-lo.

Como sempre acontece nessas horas, Manchester United e Barcelona seriam os interessados.

Depois de segurar o jogador, o passo seguinte.

Mais complicado.

Chegou a hora da lapidação.

E ele foi para as mãos de Muricy.

Luís Álvaro avisou ao técnico que Victor Andrade tinha personalidade difícil.

Em outras palavras, estaria deslumbrado com o sucesso repentino.

Muricy já avisou ao dirigente que todos deveriam se enquadrar.

Ninguém seria melhor do que ninguém.

Não passaria por um episódio como o de Dorival Júnior e Neymar.

Muricy tem o atacante santista como seu grande parceiro.

Ele se submete às mais loucas maratonas, somando jogos pelo Santos e pela Seleção.

Sem reclamar, deixando o ambiente ainda mais alegre na Vila Belmiro.

Muricy realmente chegou armado com Victor Andrade.

E infelizmente, o garoto colaborou.

Talentoso, gosta de exagerar nos dribles, provocar seus marcadores.

Adora enfeitar jogadas que podem ser mais simples.

Tudo normal, afinal não passa de um menino talentoso.

Só que Muricy resolveu bater forte.

E passou a dar broncas não só nos treinamentos.

Mas públicas após os jogos.

O treinador já se irritou com o menino recebeu após marcar contra o Flamengo.

Ele tirou a camisa e tomou cartão amarelo.

"É antigo, meu, já está ultrapassado (tirar a camisa).

Você não lançou isso, é velho, está louco?", perguntou o técnico.

Passou a ser assim em quase todos os treinamentos.

E conversas duras na concentração.

Em toda entrevista, perguntado sobre o jogado, o técnico era claro.

"Ele tem de aprender a ser humilde.

Vou consertar esse menino."

Sem graça, Victor Andrade não retrucava.

Só se queixava com os pais.

Veio o jogo com o Palmeiras.

Neymar ridicularizou o fraco time.

Deu passes de calcanhar, deu elástico, chapéu, canetas.

Parou contragolpes importantes para dar seu show particular.

Isso empolgou Victor Andrade.

Ele viu que Muricy não reclamou com Neymar.

E tentou mostrar que também sabe dar pedaladas, passes de letra.

Fez gol.

Só que a reação do técnico durante o jogo foi duríssima.

O chamou e exigiu que parasse.

"Tentei fazer uma gracinha na lateral, o professor não gosta muito disso e me deu bronca.

Não é para menosprezar, é meu estilo de jogo, gosto de fazer graça, mas depois dessa tive que parar."

A enquadrada continuou no vestiário.

E na coletiva, Muricy outra vez falou que ele precisava ser mais humilde.

O pai de Victor, Nelson, é policial.

Disse a princípio que concordava com as broncas, que Muricy estava ajudando seu filho.

Seguia o exemplo de Telê Santana.

E o meia atacante passou a ser o alvo predileto do técnico nas suas coletivas.

Só que a reação do garoto em casa o começou a preocupar.

Victor deixou claro que queria que essa situação acabe.

reproducao2 Muricy e a família de Victor Andrade precisam se acertar. O clima está ficando insustentável para o novo Neymar na Vila Belmiro. Que todos se lembrem de Jean Chera...

A última situação aconteceu na sua viagem para Barcelona.

Seu empresário Paulo Affonso o levou com o goleiro Rafael.

Foram assistir ao jogo do time de Messi contra o Benfica.

A recepção da imprensa espanhola foi exagerada.

Ele foi chamado de 'novo Neymar'.

Muricy ficou histérico ao saber.

E já prometeu o 'recepcionar' com uma bronca.

Para 'o trazer à realidade'.

"Depois sobra para eu consertar tudo isso.

Tenho de colocá-lo no quartinho e falar as verdades.

Porque falam um monte de bobagens e mentiras para ele.

Dizem que é o fera e ele não é.

Muitos falam o que ele quer ouvir.

Eu falo o que será bom para a sua carreira.

Então, tenho de consertar isso."

Alertado, o pai de Victor resolveu contragolpear.

Mandou avisar a Muricy que 'roupa suja se lava em casa'.

Deu uma entrevista avisando que não está gostando da situação.

E pode até autorizar o filho a tirar uma pausa.

Parar de jogar.

Disse que sua família não precisa do futebol.

A mãe o defendeu.

Disse que está difícil para o 'psicológico do filho' ao Lance!

Muricy e os dirigentes santistas já conversaram.

Querem esperar o garoto voltar e querem uma reunião com a família.

A situação será resolvida.

O grande exemplo lembrado por Luís Álvaro é Jean Chera.

Apontado como um grande talento na base, seu pai teve uma violenta discussão com a diretoria.

De acordo com conselheiros santistas, queria tratamento diferenciado ao filho.

De acordo com o pai, faltava reconhecimento.

Jean Chera deixou a Vila Belmiro.

A expectativa era que fosse jogar em um grande clube europeu.

Seus parentes afirmavam que ele tinha várias e várias propostas.

Acabou no Genoa, clube pequeno italiano.

Foi dispensado.

Seguiu para o Flamengo.

Uma enorme decepção.

Não conseguiu ficar nem entre os reservas.

Acabou também dispensado.

São casos diferentes mas com um elo importante em comum.

A vida de um jovem e promissor jogador de futebol.

Entre a cobrança de Muricy e o carinho dos pais, lógico que Victor vai optar pelos pais.

Só que um garoto de 17 anos, empolgado com a carreira, precisa de orientação.

De uma postura firme.

Muricy está certo, precisa pegar no pé do menino.

Mas está exagerando.

O desmoralizando pelas rádios, jornal, televisão.

As broncas têm de ser dadas na sua salinha.

Precisa ser inteligente.

Telê Santana teve o seu auge como treinador entre os anos 80 e 90.

Já se passaram trinta anos da Seleção de 82.

Neste período, muita coisa mudou.

Os jogadores de futebol ficaram mais difíceis de tratar.

Se sentem celebridades.

Com o fim do passe, sabem que o vínculo com o clube está longe de ser eterno.

Muricy está certo em orientar Victor Andrade.

Mas erra na dose.

Mas o erro será maior se o pai do garoto usar os jornais para pressionar Muricy.

Seu filho estará no meio dos dois.

A hora é de se acertarem.

Ou Muricy e Nelson Andrade que se lembrem de Jean Chera.

"Jean é a maior revelação do futebol brasileiro.

Depois de Neymar", como brincava Luís Álvaro.

E onde o garoto está agora?

Rejeitado pelo Flamengo, à procura de um clube...

O jovem craque de hoje pode ser o dispensado de amanhã...

reproducao3 Muricy e a família de Victor Andrade precisam se acertar. O clima está ficando insustentável para o novo Neymar na Vila Belmiro. Que todos se lembrem de Jean Chera...

Luís Fabiano não vai parar de jogar futebol. É a maneira que descobriu para não ser cobrado, massacrado. E a imprensa aproveita a manchete. Transforma em mera chantagem emocional. E assim ele foge da cobrança pela expulsão de ontem. Tolos os que acreditarem…

williambonner Luís Fabiano não vai parar de jogar futebol. É a maneira que descobriu para não ser cobrado, massacrado.  E a imprensa aproveita a manchete. Transforma em mera chantagem emocional. E assim ele foge da cobrança pela expulsão de ontem. Tolos os que acreditarem...

Luis Fabiano não vai parar de jogar.

Os 32 anos de vida têm de servir de alguma coisa.

Depois da infantil expulsão de ontem, precisava usar algum recurso.

Não adiantava mais pedir desculpas à torcida.

Isso já fez várias e varias vezes na carreira.

Mais recentemente gravou um vídeo dizendo que iria mudar.

Foi após a expulsão na partida contra o Atlético Mineiro.

No Campeonato Brasileiro.

Já se desentendeu com as organizadas por chamá-lo de pipoqueiro.

Depois recuou e disse que estava tudo bem.

Mas o que fez ontem diante do fraco Tigre passou dos limites.

Era a final mais fácil de sua carreira.

Já tinha obrigado o goleiro Albil a grande defesa aos quatro minutos.

Os esforçados zagueiros argentinos mostravam enorme dificuldade em contê-lo.

A noite poderia ser de consagração.

Mandar um belo recado a Luís Felipe Scolari.

Se ele quer mesmo usar um atacante experiente de referência, que o chamasse.

Condições técnicas, ele tem.

Não psicológicas.

Não é possível que Luís Fabiano não soubesse que seria provocado.

Até os monge do Tibet sabem que não suporta uma provocação.

Ainda hoje se comporta como um garoto que não leva desaforo para casa.

Jogador profissional de elite se vinga de outra maneira.

Marcando gols, dando dribles, humilhando quem o xinga, dá socos, pontapés.

Luís Fabiano se dá ao luxo de seguir o seu destempero.

Pouco importa o time, a torcida, a importância do jogo.

Era a primeira partida da decisão da Copa Sul-Americana.

O São Paulo é o time grande paulista há mais tempo na fila.

São quatro anos sem uma conquista sequer.

E o atacante conseguiu ser expulso no primeiro jogo da final.

Jogou apenas 13 minutos ontem.

Ficará de fora da partida no Morumbi.

A ansiosa torcida são paulina comprou todos os 65 mil ingressos em quatro horas.

Ela foi desrespeitada pelo atacante.

Assim como os companheiros.

E a diretoria.

Que fato novo Luís Fabiano poderia criar?

Desculpas não iria adiantar.

A saída que ocorreu foi falar que pensava em parar de jogar.

Ótima.

Manchetes, clima de consternação entre os apaixonados pelo São Paulo.

Não, o maior artilheiro do time não poderia parar de jogar.

Pela comoção da manchete fácil, grande parte da imprensa finge que caiu no truque.

Será que Luís Fabiano vai parar?

Torcedores passam a se questionar.

A raiva se transformou em medo que ele vá embora.

Brilhante a estratégia.

Simples, tosca mas que o coração apaixonado não percebe.

O atacante que prejudicou o São Paulo não vai parar.

Disse que foi ontem foi a pior noite de sua vida.

À comparou com a morte de seu avô, homem que o apoiou.

O fez ser o grande jogador que é.

A tristeza pela perda do avô precisa ser respeitada.

E nunca será questionada.

Mas Luís Fabiano não deveria estar triste.

O sentimento que teria de dominá-lo é outro.

Vergonha.

Não há cabimento, explicação para sua expulsão por tentar chutar Donatti.

Agredir um zagueiro fraco, lento, que lhe daria chances de marcar alguns gols ontem foi estupidez.

Juvenal Juvêncio já falou nos vestiários que não haverá punição alguma.

"Luís Fabiano é assim mesmo", de conforma.

Mas se fosse Cícero, Oswaldo, Willian José ou qualquer outro seria diferente.

O presidente o massacraria.

Mas não Luís Fabiano, ele é intocável.

Ainda mais depois dessa 'vontade' de parar de jogar futebol.

Ele não vai terminar a carreira.

Apenas acabou o seu ano da maneira mais desastrosa possível.

Tanto vai continuar que sonha com um recurso do São Paulo.

Ainda quer que a diretoria tente liberá-lo junto à Conmebol.

Sonha jogar no Morumbi.

Viu a partida fácil que jogou no lixo.

Tinha tudo para se consagrar.

Marcar vários gols e comemorar o título mais fácil da carreira com a torcida.

Por mais que Juvenal seja amigo íntimo de Marin, não há a menor possibilidade.

A CBF pode implorar, Luís Fabiano está fora do jogo de quarta-feira.

Conseguiu se sabotar.

Não terá nem o direito de estar no pôster do time campeão, se o São Paulo vencer.

Ele cavou essa situação.

Sentindo o massacre que o atingiria disse que pensava até em parar.

Jornalistas estão virando tudo de cabeça para baixo.

E fazendo uma chantagem emocional com a torcida do São Paulo.

Ninguém pode cobrar, reclamar de sua atitude.

Se não ele pode parar de jogar.

Essa é a mensagem mentirosa, o blefe que as manchetes estão criando.

Luís Fabiano tem um contrato excelente com o São Paulo até março de 2015.

Ganha muito bem.

É tratado como um rei.

A hipótese de parar de jogar pela expulsão não existe.

Foi um desabafo.

E grande parte da imprensa está transformando em chantagem emocional.

Torcedores e dirigentes com neurônios não podem cair nesse truque.

A hora é de cobrar e de uma maneira muito forte.

Luís Fabiano não tem o direito de prejudicar tanto o São Paulo.

Chega de regalias.

Ele precisa ouvir umas verdades.

Ditas sem medo.

Até porque ele não vai parar de jogar.

Vai só se desculpar pela milésima vez com a torcida.

E prometer que vai mudar.

De promessas vazias os torcedores estão cansados.

O que deveria fazer, não faz.

Luís Fabiano precisa parar de sabotar o São Paulo...

Luis Fabiano sabotou o São Paulo na Bombonera. Sua expulsão aos 13 minutos travou o time na final da Sul-Americana. Está fora da decisão na próxima quarta-feira no Morumbi. Até quando o veterano de 32 anos será tratado como um menino mimado pela diretoria?

 

getty Luis Fabiano sabotou o São Paulo na Bombonera. Sua expulsão aos 13 minutos travou o time na final da Sul Americana. Está fora da decisão na próxima quarta feira no Morumbi. Até quando o veterano de 32 anos será tratado como um menino mimado pela diretoria?
Mais uma vez, Luis Fabiano sabotou o São Paulo.

Logo de início, o time dominava o Tigre em plena Bombonera.

A primeira partida da final da Sul-Americana começava bem demais.

Os brasileiros imprensavam os argentinos nos seu campo defensivo.

Mas aí, o ego de Luís Fabiano falou mais alto.

Ele não aguentou tomar um soco que pegou de raspão no seu braço.

Pensou apenas em mostrar que era homem e não levava desaforo para casa.

Pouco importava se o São Paulo estava em uma final

Que o clube não ganha um título desde 2008.

Muito menos que Juvenal Juvêncio envolveu R$ 20 milhões para trazê-lo de volta.

Acabou de completar 32 anos.

Mas se comportou como um garoto inexperiente, raivoso.

Não quis nem saber se estava na frente do árbitro Antonio Arias.

Luis Fabiano tentou acertar um chute em Donatti.

O juiz paraguaio expulsou os dois.

Para o Tigre não atrapalhou, só saiu um zagueiro.

Mas ao São Paulo foi um desastre.

O time perdeu a referência na frente.

Luis Fabiano levava vantagem diante da marcação.

Trazia muita preocupação.

Para piorar de vez as coisas, Ney Franco não levou Willian José para o banco.

Não quis nem Ademílson.

Tinha certeza que Luís Fabiano resolveria a situação.

Erro gravíssimo do treinador.

Ele deveria conhecer o histórico do atacante em decisões.

Não consegue dominar os nervos.

Joga mal, se irrita com tudo.

Acumula cartões, expulsões.

O que ele fez ontem foi indecente para um jogador de Seleção Brasileira.

Caiu na provocação, tomou vermelho.

Além de prejudicar o time ontem, não jogará na próxima quarta-feira.

Pior de tudo é que ele escapará ileso.

Fosse qualquer outro atleta, seria multado, suspenso.

Luis Fabiano só repetiu ontem o que fez na semifinal do Paulista deste ano.

O São Paulo goleou o Bragantino por 4 a 1, mas ele tomou o terceiro amarelo.

Não jogou a semifinal contra o Santos e o São Paulo perdeu.

Esse comportamento absurdo é que o faz ser chamado de pipoqueiro.

Pela própria torcida do São Paulo.

E o que faz perder espaço importante na Copa de 2014.

Luís Felipe Scolari precisa de um atacante fixo na área.

Muito melhor apostar em Fred, mais equilibrado, sabe usar sua experiência.

O São Paulo sentiu demais o golpe, a saída de Luís Fabiano.

O futebol de Lucas e Oswaldo passou a ser improdutivo.

Até conseguiam alguns dribles, mas não tinham para quem cruzar, para quem passar a bola.

Luís Fabiano tem uma influência enorme nos dois.

Eles o procuram o tempo todo para tabelas ou na hora dos cruzamentos.

Jadson também sentiu.

Seu entrosamento nas enfiadas de bola ao artilheiro é ótimo.

Sem ele, o São Paulo passou a não ter ninguém fixo na frente.

Facilitou o trabalho do fraco time do Tigre.

Raúl Gorosito ficou aliviado.

Continuou segurando sem time em duas linhas de quatro.

A intenção no primeiro tempo era segurar o São Paulo.

Luís Fabiano fez o trabalho para os argentinos.

Na segunda etapa, Ney Franco errou.

Colocou Lucas e Oswaldo fechando das pontas para o meio.

Buscava liberar as laterais para Paulo Miranda e Cortêz.

Só que não deu resultado.

Os argentinos voltaram mais corajosos.

E a situação reverteu.

Passaram a pressionar o São Paulo.

Gorosito adiantou a marcação e os brasileiros perderam a tranquilidade.

Passaram a dar chutões improdutivos para a frente.

A bola caía nos pés do Tigre e tome mais sufoco.

Mas não é à toa que o time portenho está na penúltima colocação do Argentino.

Falta talento individual.

Mesmo sufocando o São Paulo, não criou uma chance real de gol.

Rogério Ceni não trabalhou.

O jogo foi péssimo e 0 a 0 foi mais do que justo.

Mas, mesmo cuidadosos com as palavras, os são paulinos deixavam claro o que havia ocorrido.

A quem reclamar do empate que poderia muito bem ter sido uma vitória.

"Perdemos a referência no ataque.

A expulsão do Luís Fabiano nos prejudicou", disse Jadson.

"Não tem dúvida que a saída do Luís Fabiano nos atrapalhou.

Bem mais do que o vermelho dado ao zagueiro do Tigre.

Foi bem pior ao São Paulo", garantiu Rogério Ceni.

"Eles xingam, provocam, dão chutes, socos sem a bola.

Mas nós sabíamos que isso iria acontecer.

É importante manter a cabeça fria, se controlar.

Se reagir é pior", disse Lucas, com seus 20 anos.

Ele mandou um recado sutil a Luís Fabiano, 32 anos.

O jogador não se controlou.

E estará mais uma fez fora de uma decisão com o São Paulo.

Por motivo infantil, uma expulsão boba aos 13 minutos de jogo.

Mais uma vez ele deixou o São Paulo na mão.

Luís Fabiano não joga contra ele nas fases decisivas dos campeonatos.

Joga contra o time que lhe paga e muito bem.

Se o São Paulo não saiu com uma vitória da Argentina é por culpa dele.

Caso ainda estivesse na Europa, seria suspenso e multado ainda hoje.

Mas como estamos no Brasil, ele deve ganhar um longo abraço de Juvenal.

Pelo menos não será chamado de 'pipoqueiro' na próxima quarta-feira.

Expulso, não jogará, assistirá a partida das tribunas.

Luís Fabiano tem 32 anos mas é mimado como garoto de 15 anos.

Por isso só ganhou um título em seis anos de clube.

O do Rio-São Paulo em 2001.

Pior para o São Paulo...

(A humilhação maior veio da própria esposa.

Juliana clemente escolheu o twitter para desabafar.

Em plena madrugada desta quinta-feira.

Ela estava sendo trucidada por torcedores revoltados.

"Podem me atacar o quanto quiserem!

Sinto o mesmo que vocês!

Estou triste e muito chateada!

Ele errou! feio! avisei! tentei acalmar!

Não consegui!"

Deprimente, Luís Fabiano...)

(E Juvenal Juvêncio decidiu.

Nada de punição.

"O Luís Fabiano é assim mesmo.

Punição agora iria estragar o ambiente para a final.

Está fora de cogitação."

Ou seja.

O tratamento ao jogador de 32 anos continuará o mesmo.

Por mais que prejudique o São Paulo.

Será tratado como um menino mimado.

Por isso que ele nunca mudou.

E nem vai mudar...)