Posts de 12 de março de 2012

Foi Tite quem não quis mais Adriano. O atacante teve de aceitar a demissão do Corinthians. Perdido, já bate na porta do Flamengo…

divulgacao2 Foi Tite quem não quis mais Adriano. O atacante teve de aceitar a demissão do Corinthians. Perdido, já bate na porta do Flamengo...
Não teve nada de amistosa a saída de Adriano.

A direção do Corinthians colocou o que o blog publicou.

Tite se negava a continuar trabalhando com ele.

Se o atacante quisesse, treinaria à parte.

Jogar no Corinthians, nunca mais.

Ronaldo já havia antecipado a decisão ao atacante.

Como foi ele quem o contratou, se obrigou a dar a notícia ao jogador.

A reação de Adriano foi firme.

Se o Corinthians não o queria, ele também não queria o Corinthians.

Será até um alívio para o atacante, que detesta São Paulo.

Não aceitou desde o início as cobranças por parte da imprensa e da torcida.

Reclamava sempre que podia a amigos da exagerada cobrança que sofria.

Tinha saudade do carinho do Rio de Janeiro.

Tanto que já decidiu voltar imediatamente para sua cidade.

Avisou a Ronaldo que irá devolver o seu apartamento o mais rápido possível.

Quando Adriano ouviu de Ronaldo e da direção do clube o nome Tite, sabia que não ficaria.

O treinador ficou revoltado com a sua negativa em se pesar na sexta-feira.

Ele já o havia avisado que formaria a dupla ofensiva com Sheik diante do Guarani.

Falou na quarta-feira.

Nas noites de quarta e quinta-feira ele abusou.

Chegou mais pesado ao clube.

E não queria passar pelo vexame de mostrar o abuso na balança.

Sabia que teria problemas com Tite.

O treinador ficou revoltado.

E disse em voz alta que desistia dele.

O técnico sofreu demais tendo de colocar Ronaldo para jogar.

A desclassificação na pré-Libertadores contra o Tolima não sai da sua cabeça.

E o treinador jurou que não passaria mais por essa situação.

A gota d'água com Adriano aconteceu na recusa da pesagem.

E na bendita entrevista à Globo quando falou que jogava manco.

Foi a desmoralização dos departamentos médico e físico do clube.

O seu defensor, Joaquim Grava, não teve como justificar tamanha bobagem.

Em um ano, Adriano atuou apenas oito vezes com a camisa do Corinthians.

Marcou dois gols.

Ganhou R$ 380 mil por mês.

O atacante de 30 anos vai tentar volta ao Flamengo.

Hoje mesmo já entrou em contato com a presidente Patricia Amorim.

Foi Vanderlei Luxemburgo que o impediu de voltar à Gávea.

Joel Santana é muito mais maleável.

E terá de ser.

Se a contratação der certo, terá Adriano, Vagner Love e Ronaldinho Gaúcho.

Os três juntos podem formar o Império de Sodoma e Gomorra.

Sem rumo desde a morte do seu pai em 2004, Adriano sucumbiu.

Era um dos melhores atacantes do mundo.

Se deixou levar pelo alcoolismo, pelas farras constantes.

Virou uma caricatura do que era.

Só foi atuar no Parque São Jorge por insistência de Ronaldo.

Andres Sanchez desta vez não é culpado.

Foi contra a contratação desde o início.

Mas cedeu como um favor pessoal a Ronaldo.

Adriano traiu a amizade do amigo.

Não se dedicou como jurou que faria.

Pelo contrário.

Fez sempre questã de se mostrar deslocado, sem ânimo de jogar pelo Corinthians.

Adriano age como uma adolescente sem rumo.

Ele acredita que sempre haverá um grande clube interessado nele.

Se vê ainda como Imperador.

Mas os preparadores corintianos sabem.

Perdeu o estado atlético, a força física, a explosão muscular.

Nos treinamentos do Corinthians era normal ser dominado por juvenis.

Todos lamentam o desfecho, o desperdício de um grande jogador.

Principalmente Ronaldo.

Ele acreditou em todas as promessas de Adriano.

E agora está envergonhado diante da diretoria corintiana.

Já o atacante carioca, não.

Ele está batendo na porta do Flamengo.

Se não for aceito, tudo bem.

Sabe que algum clube grande vai oferecer emprego para ele.

É uma questão de tempo.

E sim, ele já avisou seus amigos da comunidade da Vila Cruzeiro.

Esta semana ainda ele voltará para uma festança.

Essa é a vida de Adriano.

O jogador sem rumo que decide acabar com sua carreira.

E da maneira mais desmoralizante possível.

E está conseguindo...

O grande órfão de Ricardo Teixeira: Andrés Sanchez. Ele é detestado por Marin e Marco Polo. Sua sobrevivência na CBF está por um fio…

divulgacao1 O grande órfão de Ricardo Teixeira: Andrés Sanchez. Ele é detestado por Marin e Marco Polo. Sua sobrevivência na CBF está por um fio...

Há de se vestir negro no luto.

O negro na vestimenta representa a dor da perda.

A não ser que a viúva não seja tão fiel quanto parecia com o marido vivo.

Alguém vestido de negro também lembra Zorro.

O herói que tinha no Sargento Garcia um pobre perseguidor.

Barrigudo, era motivo de gozação do próprio herói que sempre escapava do militar.

Andrés Sanchez já fumou meia Mata Atlântica.

Misturando seu luto pela perda da proteção de Ricardo Teixeira.

E arrependido de ter tentado fazer graça.

Dizer que o ex-presidente só sairia da CBF quando o sargento Garcia prendesse o Zorro.

Confundiu desejo com realidade.

Teve uma péssima avaliação do desenho político do futebol brasileiro.

A aliança de Andrés, Teixeira e Lula garantiram o estádio de um bilhão de reais ao Corinthians.

A implosão do Clube dos 13 garantiu ao clube de Andrés a maior cota de transmissão que a Globo dará pelo Brasileiro.

Andrés estava nas nuvens.

Em 2010, o executivo da emissora, Marcelo Campos Pinto disse a Teixeira que não queria a CBF.

Andrés ficou sozinho na disputa.

Como diretor de Seleções iria aprender como funciona a CBF.

E depois suceder Teixeira em 2015.

Mas a pressão de Blatter, Polícia Federal e Dilma foi imensa.

Teixeira não resistiu e abandonou o cargo.

Pediu por Andrés junto a José Maria Marin.

Marin detesta Andrés.

Assim como Marco Polo del Nero, que é o mentor de Marin.

O espaço da ala corintiana da seleção está em xeque.

Andrés, Mano Menezes e a figura decorativa de Ronaldo no Comitê Organizador Local.

O trio era mantido por Teixeira.

Os três não têm a menor afinidade com Marin ou com Marco Polo del Nero.

O mais preocupado é Andrés.

Ele se sente responsável pelos dois.

Foi ele quem indicou Mano e Ronaldo.

Se depender da vontade de Marco Polo del Nero, o treinador da seleção será outro.

Mano Menezes daria lugar a Luiz Felipe Scolari.

O treinador da seleção que estava tão tranquilo viu seu mundo cair.

Se não fizer um bom trabalho nas Olimpíadas deve perder o seu emprego.

Acabou a garantia que tinha com Teixeira.

Mesmo Andrés terá o seu espaço reduzido pouco a pouco.

Marin tem ótimo relacionamento com Juvenal Juvêncio.

E os dois detestam a maneira populista de Andrés Sanchez administrar.

Juvenal nunca o perdoou por se aliar a Lula para tirar o Morumbi da Copa.

Nunca pensou que a oportunidade de vingança surgiria tão rápido.

A única esperança para Andrés é tênue.

Ele precisa apostar em um motim dos presidentes das federações.

Esquecerem o que juraram a Teixeira e promoverem um motim.

Com novas eleições, Marin pode perder o cargo para Fernando Sarney, filho de José Sarney.

Só assim Andrés voltaria a ser valorizado.

Só que Marco Polo está trabalhando para esvaziar uma rebelião.

José Maria Marin jura que ficará até 2015.

E que seguirá as mesmas diretrizes de Teixeira.

Só fará alguns ajustes.

Andrés Sanchez é esperto.

Sabe que está no alvo.

Sua preocupação já chegou a companheiros de diretoria corintiana.

O luto e a tensão consomem cigarros capazes de dar a volta no Itaquerão.

De um dia para outro, ele se vê obrigado a se reportar a José Maria Marin.

O novo presidente da CBF assume que é 'irmão' de Marco Polo e Juvenal.

Neste novo desenho do comando do futebol brasileiro, Andrés é um intruso.

Ninguém nem sonha com ele sucedendo Marin.

Muito menos comandando a Seleção na Copa de 2014.

Marco Polo e Marin são muito espertos e vividos.

Não são de bater de frente.

"Articulações são feitas pelas costas”, ensinava o general Golberi, eminência parda de vários governos militares.

Eles já começaram a conversar sobre o que fazer com Andrés.

Ex-presidente do Corinthians.

E com seu grande aliado Lula doente, sem Teixeira ele está abandonado.

Nunca esteve tão sozinho.

De um dia para outro o que era certeza virou luto.

O golpe foi forte demais.

Andrés vai tentar sobreviver.

Buscará se aproximar de José Maria Marin.

Só que o octogenário presidente da CBF está vacinado por Marco Polo.

A ordem é diminuir o espaço.

Tirar o oxigênio de Andrés.

E ele sabe disso.

Não será surpresa se ele renunciar.

E buscar consolo assumindo a Comissão de Obras do Itaquerão.

O sargento Garcia promete ser muito cruel com o Zorro.

A única coisa que o deixará fazer será fumar.

Colocar a foto de Ricardo Teixeira apertada no peito.

E cantar o maior sucesso de Maysa.

"Meu mundo caiu."

O futebol brasileiro acaba de deixar de ser uma capitania hereditária. A renúncia de Teixeira marca o fim de 40 anos de domínio dos Havelange. Foram 40 constrangedores anos…

divulgacao927 O futebol brasileiro acaba de deixar de ser uma capitania hereditária. A renúncia de Teixeira marca o fim de 40 anos de domínio dos Havelange. Foram 40 constrangedores anos...
A CBF deixa de ser, a partir de hoje capitania hereditária.

A renúncia de Ricardo Teixeira coloca um fim ao poder dos Havelanges.

Somando João Havelange com Teixeira dá um total absurdo.

Foram 40 anos de domínio.

Havelange fez o que quis do futebol por 17 anos.

E depois passou o poder a Teixeira, que ficou mais 23.

O único mérito de Ricardo Terra Teixeira foi ter sido genro.

Nada mais.

O futebol brasileiro caiu no seu colo.

Ele não tinha e nunca teve o menor preparo para tanto poder.

Havelange teceu uma poderosa rede de aliança.

Acabou presidente da Fifa.

Teixeira apenas deitou na cama preparada por Havelange.

Sua maior característica foi a truculência.

E a ganância para deixar a CBF riquíssima.

Aproveitou-se como ninguém da melhor fase do futebol brasileiro.

Foi o presidente com mais conquistas dentro de campo.

O acaso o ajudou.

Nunca entendeu ou tinha vocação para o futebol.

Foi um mero oportunista.

Não iria viras as costas a tudo que o sogro estava lhe oferecendo.

O futebol brasileiro foi um sucesso dentro do campo.

Mas um fracasso fora deles.

A esmagadora maioria dos clubes brasileiros está falida.

Teixeira nunca se importou em brigar por uma legislação que responsabilizasse os dirigentes pelos desmandos em seus clubes.

Pelo contrário.

Ele promovia o caos para controlar a todos emprestando dinheiro.

Ou atuando com sua grande parceira, a TV Globo na antecipação do dinheiro de transmissão dos jogos.

Teixeira também fez de gato e sapato os presidentes das federações estaduais de futebol.

Os homens que poderiam lhe derrubar deviam favores indecentes ao mandatário.

Ele os controlava também com dinheiro.

Empréstimos e favores, como incluir Estados na Copa do Mundo.

Se aproveitou como ninguém da seleção brasileira.

Conseguiu a façanha de contratar uma empresa a Kentaro.

Com capital israelense e sediada em Londres, ela organiza os amistosos do selecionado.

E tem uma única obrigação: repassar dois milhões de dólares à CBF.

O que lucrar é da Kentaro.

Por isso amistosos surreais como contra o Gabão e a Bósnia.

A CBF tem um patrimônio que beira os R$ 100 milhões.

Como conseguiu tanto dinheiro com os clubes na falência?

Explorando a imagem da seleção.

Os patrocinadores despejam dinheiro no selecionado.

Como a Nike e a Ambev, que foram os grandes alicerces de Teixeira.

Durante 23 anos, escândalos para todos os gostos.

Em 1994, foi acusado de trazer toneladas de equipamentos para sua casa noturna, El Turfe.

Foi no voo em que voltou a seleção brasileira tetracampeã do mundo.

O retorno dos Estados Unidos foi conhecido como o Voo da Muamba.

Teve de apelar para senadores e deputados federais do Brasil...

E vários advogados para se livrar de uma CPI.

Seu principal entrave foi detalhar o contrato da seleção com a Nike.

Sob o seu comando, houve o escândalo Ives Mendes, quando o chefe do Comitê de Arbitragem pedia ajuda para sua candidatura política.

O ex-presidente do Corinthians, Alberto Dualib, ofereceu os famosos "um, zero, zero".

E tudo que é ruim pode e fica pior.

Veio Edilson Pereira de Carvalho, juiz que ganhava dinheiro para manipular resultados.

O Brasileiro de 2005 foi um vexame para o País.

Aos trancos e barrancos, Teixeira ia se aguentando na CBF.

Seu sonho era suceder Blatter na Fifa.

Os dois eram grandes amigos.

Até Teixeira cometer o maior erro de sua vida.

Em 2011 ele resolveu apoiar o presidente da Confederação Asiática de Futebol, Mohammed Bin Hammam.

Traiu Blatter.

Tentou voltar atrás quando percebeu a bobagem que cometeu.

Mas aí era tarde.

O presidente da Fifa tinha um enorme trunfo.

O escandalo ISL.

Uma empresa suíça de marketing esportivo tinha o desejo de espalhar o seu domínio pelo mundo.

E, de acordo com a imprensa inglesa, teria subornado alguns dirigentes para isso.

De uma vez só teria dado dinheiro para João Havelange e Ricardo Teixeira.

Mais de R$ 17,6 milhões a cada um.

Descoberto o escândalo, os dois teriam feito um acordo.

Devolveriam o que pegaram à Justiça suíça e tudo seria encerrado.

Só que a Fifa teria os documentos que provariam o suborno aceito.

A divulgação oficial seria a desmoralização total dos dirigentes.

O Comitê de Ética do Comitê Olímpico Internacional examinava o caso.

E estava resolvendo expulsar Havelange.

Ele resolveu renunciar e o processo no Comitê de Ética foi arquivado.

Alegou problemas de saúde e abdicou.

Depois de 48 anos no comitê.

Com a queda de Havelange ficou claro que Teixeira seria facilmente abatido.

Até porque ele sempre contou com a rejeição da presidente Dilma Rousseff.

Ela o queria longe da Copa de 2014.

E não aceitava sequer ser vista a seu lado.

Deu toda a força para a Polícia Federal investigar o rumoroso caso do amistoso entre Brasil e Portugal.

Ele teria recebido dinheiro do jogo superfaturado.

A denúncia nasceu da TV Record.

O cerco se fechava em torno de Teixeira.

Colocou Ronaldo como escudo no Comitê Organizador Local.

Mas de nada adiantou, a rejeição só cresceu.

Em relação ao dirigente e ao ex-jogador.

Teixeira quis fazer seu sucessor Andres Sanchez, mas não teve tempo.

A pressão estava forte demais.

Blatter teria ameaçado tornar pública a sua participação no escândalo ISL.

Teixeira trouxe a Copa para o Brasil.

Mas se tornou o grande estorvo para a realização da competição.

E muito mais: a marca registrada da falta de credibilidade e repugnância à própria seleção.

A Polícia Federal resolveu também investigar um suposto depósito do presidente do Barcelona, Sandro Rosell, na conta de sua filha Antônia.

A menina tem 11 anos...

Seus órfãos, Andrés Sanchez, Mano Menezes e Ronaldo estão em choque.

O sargento Garcia prendeu Zorro, Andrés...

O novo presidente José Maria Marin assume.

Mas quem vai mandar será Marco Polo del Nero, presidente da FPF.

A princípio os dois prometem cuidar bem dos órfãos corintianos.

A princípio...

Ricardo Teixeira sai por onde merece.

Pela porta de trás da história.

Deixando como um resumo do que representou, a entrevista que deu à revista Piauí.

Vale a pena nunca esquecer o que disse.

Palavras que ficarão na história.

Na lápide de Ricardo Terra Teixeira.

“Meu amor, já falaram tudo de mim: que eu trouxe contrabando em avião da seleção, a CPI da Nike e a do Futebol, que tem sacanagem na Copa de 2014.
É tudo da mesma patota, UOL, Folha, Lance, ESPN, que fica repetindo as mesmas merdas”

“ Não ligo para o que sai na Record. Só vou ficar preocupado, meu amor, quando sair no Jornal Nacional”.

“Não vai ter isso, não: está tudo sob controle”. (Sobre combinação de perguntas em entrevista com a Globo. A resposta foi a um executivo da empresa Match, que negocia pacotes de hospedagem para a Copa, sobre se haveria perguntas sobre os preços dos ingressos de 2014)

“Eu vou infernizar a vida deles. Enquanto eu estiver na CBF, na Fifa, onde for, eles não entram” (Sobre a BBC)

“Dele, eu não deixo passar nada. Outro dia, recebi um dinheiro dele. Mas eu doo para a caridade. Na próxima que ganhar, vou publicar no site da CBF um agradecimento” (Sobre Juca Kfouri)

“Ele está trabalhando para a Record” (sobre Garotinho)

“Não ligo. Aliás, caguei. Caguei montão. O neguinho do Harlem [bairro pobre nova-iorquino] olha para o carrão do branco e fala: ‘quero um igual’. O negro não quer que o branco se foda e perca o carro. Mas no Brasil não é assim. É essa coisa de quinta categoria” (sobre acusações de corrupção)

“Pegava duas novelas e o Jornal Nacional, você sabe o que é isso?” (Sobre remarcação de jogo Brasil x Argentina em 2001 para as 19h45, em retaliação a um Globo Repórter com denúncias sobre ele)

“Quanto mais tomo pau da Record, fico com mais crédito com a Globo”

“A imprensa brasileira é muito vagabunda... Não leio mais porra nenhuma, a vida ficou leve para cacete, tá muito bom”

“A imprensa é a maior culpada de tudo isso. Por ser toda paulista, passou três anos tentando enfiar goela abaixo o Morumbi. Com isso, atrasaram todos os projetos” (sobre atrasos na Copa em SP)

“Em 2014, posso fazer a maldade que for. A maldade mais elástica, mais impensável, mais maquiavélica. Não dar credencial, proibir acesso, mudar horário de jogo. E sabe o que vai acontecer? Nada. Sabe por quê? Porque eu saio em 2015. E aí, acabou”

"Caguei. Caguei de montão"

(Este é o seu melhor resumo...

Sobre o que fez de melhor nos 23 anos comandando o futebol brasileiro).

divulgacao11111 O futebol brasileiro acaba de deixar de ser uma capitania hereditária. A renúncia de Teixeira marca o fim de 40 anos de domínio dos Havelange. Foram 40 constrangedores anos...

Tite não aceita mais trabalhar com Adriano. A diretoria espera que ele peça a rescisão do seu contrato. O Corinthians já colocou mais de R$ 4,3 milhões no bolso do jogador…

divulgacao833 Tite não aceita mais trabalhar com Adriano. A diretoria espera que ele peça a rescisão do seu contrato. O Corinthians já colocou mais de R$ 4,3 milhões no bolso do jogador...
A diretoria do Corinthians espera que Adriano desista.

E peça a rescisão de seu contrato.

Seria a decisão menos traumática para todos.

Tite não quer mais trabalhar com ele.

Os departamentos médicos e físicos também não.

A direção está cansada de desperdiçar dinheiro.

Desde março de 2011, o Corinthians já depositou R$ 4.360.000,00 na sua conta.

Se ficar até junho, quando acaba seu contrato, serão R$ 5.700.000,00.

Até o pacato Mario 'futebol é busines' Gobbi quer uma solução para o problema.

O grande escudo de Adriano no clube é Ronaldo.

O ex-jogador apostou todas as suas fichas na recuperação do atacante.

E ouviu dele todas as promessas que iria se focar na carreira.

Ronaldo cansou de falar a Adriano que o Corinthians o levaria de volta para a seleção.

Ainda mais com Mano Menezes como treinador.

Sua ligação com o Parque São Jorge ainda é enorme.

Só dependeria de Adriano.

O rompimento do tendão de aquiles o tirou do time por cinco meses.

Mas o que mais atrapalhou mesmo foi seu desinteresse em entrar em forma.

Quando ele se submeteu a ficar sozinho por uma semana trancado na concentração treinando foi um teste.

Muitos dirigentes corintianos apostavam que ele não suportaria.

E pediria para ir embora.

Só que Adriano se focou e conseguiu perder quatro quilos.

Deixou a todos animados com suas promessas.

Calada, a diretoria lamentava demais a instabilidade do jogador.

Pensava em conseguir patrocinadores para ele ou para o clube.

Só que desde março de 2011 até hoje não surgiu sequer um interessado.

Ronaldo tentou ajudar como pôde, oferecendo a imagem do atacante para várias empresas.

Adriano se tornou sinônimo de prejuízo.

Mesmo assim, por pressão de Ronaldo, havia até a chance de renovação de contrato.

A entrevista de sexta-feira para a Globo foi um golpe fatal.

Dizer que estava em campo mancando expôs Tite, os médicos e os preparadores físicos do clube.

E ainda garantir que estava com 102 quilos foi a maior bobagem.

Todos no clube sabem que Adriano pesa no mínimo 108 quilos.

E quiseram que ele provasse o seu progresso assustador.

Talvez pudesse até lançar uma dieta instantânea...

O jogador se recusou a se pesar.

Ficou claro para os corintianos que ele exagerou na entrevista.

Tite ficou possesso.

Se pudesse, o teria empurrado para longe do Parque São Jorge de vez.

Fez o que pôde.

O tirou da concentração contra o Guarani e diante do Cruz Azul.

Os planos da comissão técnica era que ele viajasse para o México.

Diante disso, Adriano resolveu pedir dois dias de folgas.

E se enterrou de vez.

Tudo o que ele mais precisa e todos sabem é de treinamento duro.

Até porque há a certeza de que o seu problema é quando sai dos treinamentos.

Há a convicção que não respeita a dieta.

Essa é a explicação para desde que saiu do confinamento nunca mais perder peso.

Treinar só não basta.

Comer sem regras e até tomar cerveja é fatal para um jogador com 30 anos.

E o metabolismo lento de Adriano.

A postura da direção corintiana nesta segunda-feira é esta.

Esperar que Adriano resolva ter uma conversa amigável e encerrar sua passagem pelo Corinthians.

Tudo o que o clube não precisava era de confusões em plena disputa da Libertadores.

O atacante parece ter chegado ao seu limite no Parque São Jorge.

Desde março de 2011 conseguiu jogar apenas oito vezes.

E marcar dois gols.

Como diria um certo Shakespeare...

Adriano foi muito barulho por nada...

O Santos vai se vingar de Mano Menezes, o técnico que quer Neymar na Europa. Acabou a boa vontade do clube com sua fraca Seleção Brasileira…

divulgacao23 O Santos vai se vingar de Mano Menezes, o técnico que quer Neymar na Europa. Acabou a boa vontade do clube com sua fraca Seleção Brasileira...
Sem ter o que fazer, Mano Menezes mexeu em um vespeiro.

Em vez de ir à Europa observar o melhor futebol do mundo.

E acompanhar os jogadores que podem melhorar sua fraca Seleção...

O treinador desfruta o que o Rio de Janeiro tem de melhor.

Só quebra sua rotina para dar entrevistas para órgãos amigos.

Foi para o jornal O Globo que resolveu recomendar a Neymar ir para a Europa.

Abandonar o projeto com o Santos.

"Para todos nós (seria boa a saída)."

Como assim?

Todos nós?

O que ele lucra com a saída do jogador do Santos?

"Você não vê necessidade de exposição do Messi.

Não tão grande quanto a do Neymar aqui no País.

Ele (Messi) marca cinco gols num jogo e no outro dia treina quieto.

Não aumenta compromissos."

Os compromissos citados por Mano são os comercias conseguidos pelo Santos.

É graças aos onze patrocinadores que o clube consegue os R$ 3 milhões ao jogador.

Sem esses compromissos seria impossível.

Na Vila Belmiro internamente a resposta foi mais dura do que externamente.

O presidente Luís Álvaro ficou revoltado.

Ele reclamou a companheiros de diretoria que Mano não sabe o que fala.

O treinador da Seleção esvazia o maior projeto do Governo Federal.

Dilma Rousseff quer Neymar como jogador símbolo da Copa de 2014.

Até para tentar romper a rejeição ao Mundial e ao péssimo time montado por Mano.

Conselheiros santistas vão além.

Percebem uma grande ligação de Mano com o Corinthians.

A saída de Neymar seria boa para o rival da capital.

O clube santista tem a hegemonia do futebol paulista.

Ganhou os dois últimos estaduais.

E ainda é campeão da Libertadores.

Com Neymar está sempre no caminho corintiano.

Na Vila todos sabem que Mano só está na Seleção graças a Andres Sanchez.

E mais.

Com Neymar na Europa, o treinador da Seleção se livraria de uma situação que detesta.

A presença efetiva do pai de Neymar no ambiente do selecionado.

O técnico não gosta da exceção que acaba abrindo.

Enquanto os demais jogadores ficam sozinhos, Neymar está sempre com o pai.

No Santos, a presença de Neymar Pai é escancarada.

Está em todas as coletivas que quiser.

Nos treinos.

Até aprendeu a autografar como filho e assina camisas e bolas como se fosse ele.

Mano não quer essa proximidade na Seleção.

Outro detalhe que Luís Álvaro não deixa passar em branco é a disponibilidade.

A direção do Santos cede Neymar e Ganso, os dois melhores jogadores do País, sem reclamar.

Para qualquer desejo de Mano Menezes foi assim.

Por isso a direção santista acha que a postura do treinador 'uma traição'.

Quando Ronaldo disse que seria melhor a Neymar ir para a Europa, todos compreenderam.

De acordo com Luís Álvaro, o ex-jogador estava representando os interesses do Real Madrid.

Iria ganhar dinheiro com isso.

A postura foi a de um empresário qualquer.

Agora quando o treinador da Seleção diz que Neymar tem de sair do Santos, não.

A direção está revoltada.

Sabe como a palavra do técnico da Seleção pode pesar para o jogador.

E por isso, prepara retaliação.

Se coincidir uma partida importante da Libertadores e uma convocação de Mano.

O treinador terá de esperar.

Acabou a postura submissa santista.

Aconselhado pelo homem das 101 almas, Wagner Ribeiro, Neymar vai se calar.

Não vai entrar nesta briga.

Só pode se prejudicar.

Mano Menezes precisa arrumar urgente o que fazer...