Posts de 1 de março de 2012

O marketing rasteiro e caipira do Corinthians. O clube ficou de joelhos para um garoto só por ser chinês. Foi uma festa digna do Terceiro Mundo…

divulgacao O marketing rasteiro e caipira do Corinthians. O clube ficou de joelhos para um garoto só por ser chinês. Foi uma festa digna do Terceiro Mundo...
Ele passou 2011 jogando futebol de salão...

Sem time para atuar.

Havia entrado em litígio com a diretoria do Nanchang Hengyuan.

A equipe que estava na Segunda Divisão da China.

Chen Zhizhao é um jogador insignificante.

A direção do Corinthians sabe disso.

Mesmo assim o contratou por dois anos.

E o tratou melhor do que na apresentação de Ronaldo.

Fez do Parque São Jorge um ridículo salão de festa oriental por ambição.

Ambição de quem se acha mais esperto do que os outros.

Como se mostrando algumas belas orientais...

E algumas fantasias de dragões o dinheiro chinês desabaria em cascata.

O alegado golpe de marketing foi na verdade um ato teatral patético.

De fundo de quintal.

O marketing natural trazido por Ronaldo não será repetido.

E muito menos superado artificialmente com uma jogada tão rasteira.

Vale a pena recordar 25 de julho de 2011.

O então diretor de marketing, Luis Paulo Rosenberg revelou seu plano maquiavélico.

O Corinthians havia sido eliminado da Libertadores.

Estava sem Ronaldo.

Andres Sanchez não quis mudar os estatutos e continuar.

A Hypermarcas já começava a mandar sinais de desinteresse em continuar gastando R$ 37 milhões com a camisa do clube.

Rosenberg precisava aprontar alguma.

Até porque seu sonho é ser presidente corintiano.

Fez alguns contatos com pessoas ligadas a Nike.

Queria um jogador chinês no Corinthians.

Os contatos começaram no final de maio.

Quando acertou, revelou, feliz, o que viria a ser realidade hoje.

"Estou trazendo um moleque da seleção chinesa.

É ruim de bola, o desgraça... (risos).

Mas não faz mal.

Nossa, a chinesada vai saber que tem um chinês jogando no Brasil,

Vai pagar os tubos para passar o jogo na TV local.

E vai comprar camiseta do Corinthians com o nome do cara.

Ling, Shing, Ling...

Tenho que apelar, já que não ganhei a Libertadores."

Esse era e é o conceito de Rosenberg.

"Ling, Shing, Ling..."

Ele acredita que apenas por ter um chinês na reserva da reserva do Corinthians, o mundo de Mao vai parar.

Uma enorme bobagem, típica de um economista posando de publicitário.

Tite ficou irritadíssimo quando soube de toda essa ópera bufa.

O Corinthians já disputará a Libertadores mais do que pressionado.

É a competição que o clube nunca venceu.

Precisa de reforços de verdade.

Treinar forte, ter toda a atenção voltada para o torneio.

Mas graças a Rosenberg, terá um jogador de segunda divisão chinesa no elenco.

E com direito a tradutor, para cima e para baixo.

Tite já avisou que se ele não tiver condições, não ficará nem no banco de reservas.

Se for mesmo a 'desgraça' que Rosenberg antevia, jura que não perderá tempo com ele.

Perdido com tanta pompa para o fraco futebol que possui, o jovem chinês não disfarçava o seu desconforto.

Procurava apenas fazer o que lhe mandavam.

Nunca imaginou tamanha festa por seu futebol.

Nem foi cogitado por um time grande chinês.

Nunca imaginaria que acabaria servindo como isca...

Isca de um clube brasileiro ao dinheiro de investidores do seu país.

Mas para ele, o que vier é lucro.

Estava jogando futebol de salão na China.

Hoje teve uma apresentação digna de um grande craque do futebol mundial.

Com direito à foto da apresentação do primeiro novo jogador do novo presidente.

Mario 'futebol é business' Gobbi estreava terno e gravata novos.

E dava feliz a camisa 200 ao chinês 'Chiu'.

Ele e Rosenberg posavam e falavam como homens de visão.

Se sentem 'Marcos Polos' contemporâneos.

Dirigentes que usaram a rota da seda para chegar à China atual.

E contratar um garoto de 23 anos pelo seu passaporte chinês.

Posam de sábios, piscam para os amigos.

Mas na verdade não passam de ingênuos caipiras.

E expõem o Corinthians a um dos seus maiores constrangimentos.

Se a China quiser investir no futebol brasileiro fará por valer a pena.

Pela força midiática do clube mais popular da cidade mais rica da América Latina.

Não pelo orgulho de ver um chinesinho perdido em um time de Terceiro Mundo.

Não é dona de uma das economias mais agressivas do planeta por acaso.

A festa de hoje no Parque São Jorge foi mentirosa, vergonhosa.

E antes de tudo, oportunista.

Como somos subdesenvolvidos...

Se Lula foi responsável pelo Itaquerão, Dilma assume o novo Beira Rio. O Planalto Central pressiona para fim de confusão e Porto Alegre de vez na Copa…

AE22 Se Lula foi responsável pelo Itaquerão, Dilma assume o novo Beira Rio. O Planalto Central pressiona para fim de confusão e Porto Alegre de vez na Copa...
Lula nunca negou o óbvio.

Nem perdeu tempo em negar o seu envolvimento no Itaquerão.

O estádio só está nascendo graças ao ex-presidente.

O que Lula fez?

Intercedeu junto a Odebrecht para que a construtora assumisse construir o estádio corintiano.

Não com o mais de um bilhão que está sendo gasto, lógico.

Lula queria a experiência, o know how da empreiteira.

O pedido foi aceito.

Construtura nenhuma quer ficar contra o presidente de um país.

Tanto deu certo essa combinação Odebrecht e Copa de 2014, que vieram outros frutos.

Além do Itaquerão, é ela quem reconstrói o Maracanã.

E faz a Arena Pernambuco e a Arena Fonte Nova.

Os números são mantidos em sigilo.

Só que a Odebrecht não terá o menor prejuízo.

Muito pelo contrário.

A diretoria do Internacional resolveu agir.

Se a estratégia valeu para o Corinthians e o Itaquerão, tem de valer para o Beira Rio.

O que acontece em Porto Alegre é simples.

O Internacional ganhou a guerra para sediar jogos da Copa no Rio Grande do Sul.

Foi definida a reconstrução do Beira Rio.

A construtora Andrade Gutierrez aceitou a empreitada.

E avaliou em R$ 240 milhões o dinheiro que precisaria para a obra.

Pediu o dinheiro ao BNDES.

O Banrisul precisa ser o intermediário.

Só que o banco não liberou dizendo não haver garantias de pagamento do empréstimo.

Ao contrário do que aconteceu no Itaquerão, no novo Beira Rio não houve o envolvimento do dinheiro público.

Sem pressão de prefeito, governador, isenção fiscal...

Tudo está travado há mais de 250 dias.

É o estádio mais atrasado entre todos os 12 que estão sendo construídos para a Copa.

"Uma vergonha para o Rio Grande do Sul", brada o governador Tarso Genro.

A direção do Inter resolveu mesmo imitar o Corinthians.

E acionou a presidente Dilma Rousseff.

Ela não tinha a menor ideia do que estava acontecendo.

Faz questão de que assessores cuidem, acompanhem tudo relacionado com a Copa.

Principalmente enquanto Ricardo Teixeira for o presidente da CBF.

Dilma ficou estarrecida com a situação.

Quer a Copa no seu estado.

A Andrade Gutierrez continua insistindo que só pode dar a garantia de 20% do empréstimo necessário para a obra.

"Não é possível que uma empresa que faturou R$ 10 bilhões em 2011 não tenha esse dinheiro."

A frase é do presidente do Inter, Giovanni Luigi.

Ele sabe o que a construtora deseja é não ter responsabilidade sobre esses milhões.

Não quer ter de arcar sozinha a construção de um estádio para o Inter.

O Banrisul também não quer ser responsabilizado pelo empréstimo junto ao BNDES.

Relatórios da Fifa já registram a gravidade da situação.

A direção do Grêmio se assanha apontado a fluidez no novo Olímpico...

O ministro Aldo Rebelo sabe que a Fifa está exigindo o Beira-Rio, não quer mudar o estádio original.

Seria uma derrota para a Copa no Brasil, um vexame.

A direção do Internacional queria a participação efetiva de Dilma.

E algo vem diferente acontecendo.

Apesar da promessa dela não se envolver como Lula no futebol, a movimentação em Porto Alegre está diferente.

A pressão do Planalto Central atingiu governo estadual, municipal e a direção do Banrisul.

Até o intransigente BNDES.

Os reflexos estão em todos os lugares.

As reuniões passaram a ser mais produtivas.

Horizontes novos estão surgindo para o Beira Rio.

A raiva continua, mas o pessimismo diminuiu, como por encanto.

O estádio deverá ser mesmo confirmado em 2014.

Com Andrade Gutierrrez ou até nova construtora.

Mas Porto Alegre e o Inter não ficarão sem a Copa.

A pressão veio do Planalto Central e ponto final.

Um acordo envolvendo o Beira Rio está sendo costurado.

E tudo vai seguir como o planejado.

Como aconteceu com o Itaquerão e ninguém até agora reclamou...

Mano Menezes se cansou da insegurança de Júlio César. A vaga para o gol do Brasil está vazia. Diego Alves terá a sua chance…

AE89 Mano Menezes se cansou da insegurança de Júlio César. A vaga para o gol do Brasil está vazia. Diego Alves terá a sua chance...
Marcos era o goleiro de confiança de Felipão.

Dida, o de Parreira.

Júlio César, o de Dunga.

Mano Menezes não teve como ir contra o lobby da imprensa europeia.

E brasileira.

Mesmo depois da falha gritante no jogo contra a Holanda, que eliminou o Brasil da Copa da África...

Da péssima fase na Inter de Milão...

Mano não teve como virar as costas a Júlio César.

Além do instável titular da África, esses são goleiros que Mano convocou...

Diego Alves (Valencia), Fábio e Gabriel Vasconcelos (Cruzeiro), Gomes (Tottenham)

Jefferson (Botafogo), Neto (Fiorentina), Renan (Vitória) e Rafael (Santos).

Oito nomes, nenhuma certeza.

A falha de Júlio César contra a Bósnia chega na pior hora.

O treinador ainda o via como opção para uma das vagas na Olimpíada.

Queria a sua liderança, com pitada de arrogância, prepotência.

Julgava ser necessária diante da pressão pela busca pela inédita medalha de ouro.

Tanto que não o chamou logo após a Copa da África.

Queria preservá-lo, fazer com que as pessoas esquecessem suas falhas.

Só que a estratégia não deu resultado.

Ele continua muito mal na Inter.

Parece que nunca mais se recuperou pscologicamente da Copa do Mundo.

Mano sentiu isso na pele na terça-feira.

A insegurança com que contaminou o time na partida contra a Bósnia foi terrível.

Talvez passe a nem mais convocá-lo, quanto mais abrir uma vaga para ele nas Olimpíadas.

Mano deixou claro não está no cenário nacional o goleiro que sonha.

Jefferson, Victor, Fábio não o estimulam.

Vê futuro em Rafael.

Futuro, não presente.

Sem grandes opções, o treinador voltará seus olhos para Diego Alves.

Discreto, seu trabalho é consistente na Europa.

Saiu como grande revelação do Atlético Mineiro.

Foi muito bem no Almeria.

E animou o Valencia a gastar três milhões de euros na sua contratação.

No ambiente da Seleção é ofuscado por Júlio César.

E aceita calado ficar no segundo plano.

Não é de fazer lobby ou mostrar arrogância.

Por não ter nascido em clubes paulistas ou cariocas, não tem proteção da mídia.

Foge das entrevistas, só quer fazer parte de vez do grupo de Mano.

A empolgação da mídia espanhola com suas atuações é a arma.

Seu conceito no Campeonato Espanhol cresce a cada dia.

No próximo amistoso do Brasil, contra a Dinamarca, Mano deu sinais que vai mudar a Seleção.

Há uma enorme chance desta primeira mudança seja no gol.

Não há mais plena confiança em Júlio César.

E Diego Alves terá uma chance de verdade.

Ele que aproveite.

O Brasil precisa de um goleiro que não seja apenas pose...

Ou passado..