Posts de 13 de novembro de 2009

Diretoria do Vitória jura: não aceita mala branca para ganhar do São Paulo…

mala dinheiro 1 Diretoria do Vitória jura: não aceita mala branca para ganhar do São Paulo...

Jorge Sampaio.

Gestor do futebol do Vitória.

Em entrevista exclusiva ao blog ele foi mais do que claro.

“Somos completamente contra essa tal de mala branca.

Não vamos aceitar dinheiro de ninguém para tentarmos ganhar do São Paulo.

Jogadores, Comissão Técnica, todos já sabem.

Não vamos aceitar essa história.

É para ganhar no Morumbi para classificar o Vitória para a Sul-Americana.

Nosso clube é grande e não precisa desse incentivo de ninguém.

Nem adianta nos procurar.”

Empresários ligados ao Palmeiras, Flamengo, Cruzeiro e Atlético Mineiro parecem que vão perder tempo...

Jorge: o Vitória está aberto para ofertas de mala branca? Há vários clubes fortes que poderiam dar um dinheiro a mais para ganhar do São Paulo.

Que é isso, rapaz?

Não há a menor possibilidade.

O Vitória jogará para ganhar por sua honra.

É também um grande clube brasileiro e tem a sua receita.

Não fomos procurados e se formos não iremos aceitar.

Nem conversar.

Nada.

Mas qual a pretensão do Vitória?  O interesse é todo do São Paulo...

Já conversamos por aqui. Uma vitória em pleno Morumbi será ótima em todos os sentidos.

Nós precisamos dos pontos para a Copa Sul-Americana.

Se o São Paulo briga pelo título brasileiro, não é problema nosso.

Nós queremos é vencer. Somos apenas o 13º no Brasileiro, precisamos destes três pontos.

Por nós. Não por dinheiro de ninguém.

Jorge: o Vitória já deu ou recebeu mala branca?

Nunca recebeu e não vai receber enquanto eu estiver no departamento de futebol.

E nunca demos incentivo a ninguém porque não concordamos eticamente.

E tem mais: não haveria dinheiro para dar a outros jogadores.

Preferimos dar o pouco que temos para os nossos mesmo.

Qual é a situação financeira do Vitória?

Vocês fizeram a transação da Sociedade Anônima. O Vitória voltou a ser um clube administrado como os outros no Brasil.

Olhe, Cosme...Ser sociedade anônima doi um grande fracasso para o Vitória.

A grande maioria das ações foi comprada por um grupo argentino.

O grupo pagou e iria controlar o nosso clube.

Eles gastaram US$ 7 milhões pelas ações.

Nós tivemos de comprar de volta.

Falta pagar ainda US$ 2,5 milhões.

Ou seja, a S/A foi um fracasso.

O Vitória e o Bahia resolveram ser sociedades anônimas e acabaram caindo para a Série C do Brasileiro.

Nós conseguimos nos reerguer e pulamos em dois anos da C para a B e agora estamos na Série A.

O Bahia ainda está na B.

Sociedade anônima no futebol brasileiro foi um fracasso.

Não há estrutura ou mentalidade para isso.

Em que condições o antigo presidente, Paulo Carneiro, deixou o clube?

Olhe, ele ficou no cargo por 16 anos e meio.

É de se esperar que acabe havendo uma acomodação.

E infelizmente não pegamos a coisa boa, não.

Mais de R$ 70 milhões em dívidas.

Conseguimos baixar para R$ 17 milhões, mas há muita coisa para se resolver.

Ter uma pessoa tanto tempo no poder é terrível para qualquer clube.

No final de 2010 eu vou embora.

Não vou ficar mais não.

Já deu.

Não quero me acostumar ao poder...

O Vitória não anda bem. Perdeu várias partidas seguidas. O Mancini continuará até o final do seu contrato, em 2010?

Ele vai continuar sim.

O time sofreu uma certa instabilidade, mas entrará no eixo.

Confiamos muito no Mancini.

Ele ficará até, pelo menos, dezembro de 2010.

Só para garantir: os jogadores do Vitória não receberão dinheiro de ninguém para ganhar do São Paulo?

Estou falando que não.

Eu garanto que não receberemos essa tal mala branca ou nenhuma outra de qualquer cor.

Vamos ganhar do São Paulo por nossos interesses.

O time do São Paulo que se prepare...

Veja mais :

+ Rebecca Gusmão é banida por toda a vida da natação, por doping
+ Surpreso, São Paulo promete recorrer da perda de mando
+ Confira as últimas notícias do futebol
+ Conheça todos os blogueiros do R7

Adriano do Flamengo entende o suicídio do goleiro alemão…

lagrima Adriano do Flamengo entende o suicídio do goleiro alemão...

Adriano foi perguntado por jornalistas e teve de falar sobre Robert Enke.

O goleiro titular da Seleção Alemã.

Ele se suicidou.

Preferiu ser atropelado por um trem a conviver com a depressão pela morte da filha de dois anos.

O atacante do Flamengo falou sobre a sua depressão pela morte do pai, o que o levou ao alcoolismo.

Foram anos com o problema.

De 2004 a 2009.

Cinco longos anos...

Falou por alto, para não relembrar o pior.

E foi bom mesmo.

O seu procurador Gilmar Rinaldi enfrentou muita coisa para salvar a carreira do atacante do Flamengo.

Algumas foram publicadas.

Outras, não.

Como, por exemplo, os famosos dias em que Adriano ficou na favela, ou comunidade como preferem os cariocas, da Vila Cruzeiro.

Logo após se desligar da Inter de Milão, ele sumiu.

O jogador cresceu lá e é muito respeitado.

Não por ser Adriano, o Imperador.

Mas por ser Adriano, o amigo de todos: homens, mulheres, crianças, velhos, policiais, traficantes.

“Não viro a cara para amigo meu que virou bandido”, disse o atacante ao blog.

Mas o que pouca gente sabe é que enquanto Adriano esteve na Vila Cruzeiro, houve vários tiroteios entre duas facções criminosas.

Uma contra a outra pelo controle do tráfico.

E a Polícia Militar contra as duas.

Adriano poderia ter sido atingido pelas milhares de balas que voaram pela comunidade.

A família de Adriano ficou apavorada.

Gilmar ficou tenso, sem saber notícias dele por dois dias.

“Chegaram até a dizer que eu havia morrido”, relembrou, revoltado, o atacante.

Gilmar ficou tão nervoso que, quando encontrou  Adriano, tentou interná-lo em uma clínica para livrá-lo do alcoolismo.

Mas o jogador disse não.

E, desde então, afirma que ‘bebe como todo mundo’, parou de exagerar.

Ou seja: o atacante tem mesmo de tocar superficialmente sobre tudo o que enfrentou.

Adriano já sofreu demais com a depressão.

E mostrou que, infelizmente, entende o que aconteceu com Robert Enke...

Presidente corintiano do STJD acaba com a chance do Sport. E do Palmeiras…

corintiano small small Presidente corintiano do STJD acaba com a chance do Sport. E do Palmeiras...

O conselheiro vitalício do Corinthians, Rubens Approbato Machado, não dará nova chance para o Sport. E para o Palmeiras.

Não há a menor possibilidade de o presidente do Superior Tribunal de Justiça Desportiva anular a polêmica partida de quarta-feira.

O Sport já está rebaixado.

E o Palmeiras perdeu dois preciosos pontos jogando em casa, no Palestra Itália. Isso já está sacramentado.

Approbato não pode se manifestar publicamente, dizer não para que todas as pessoas entendam. Mas ele é sutil. Ou melhor, nem tanto.

“Para ficar caracterizado o erro de direito não basta o juiz (Elmo Resende Cunha) ter apitado antes de a bola ter sido chutada para o gol.

Isso é uma circunstância de jogo. Erro de direito capaz de fazer uma partida ser jogada de novo no Brasil é de outra magnitude.

Como se um atleta cobrar um pênalti com a mão e o árbitro validar. Ou uma equipe jogar com dois goleiros e a partida acontecer.

Se fosse mandar que Palmeiras e Sport jogassem de novo por causa do apito do árbitro, nenhum campeonato acabaria no nosso país.”

E Approbato não está sozinho. Ele sabe que os outros membros do STJD também seguirão pelo mesmo caminho.

O departamento jurídico do Sport vai protestar, ganhará a opinião pública pernambucana. Mas sabem que estarão fazendo teatro.

O clube está rebaixado e ponto final. Agora é pensar em montar o time para a Série B.

Os dirigentes palmeirenses que faziam figa para que acontecesse nova partida, podem esquecer. Parar de rezar.

Os dois pontos perdidos para o lanterna do Brasileiro não voltarão mais.

Palavra do presidente corintiano do STJD.

Mas, lógico, que sua preferência pelas cores preta e branca não pesa em nenhuma decisão como presidente do STJD...

Veja mais:

+ Notícias do futebol
+ Às pressas, Dunga chama Cris, do Lyon, para amistosos
+ Todos os blogueiros do R7