A operação Lava Jato prejudica a WTorre. Dívidas podem fazer com que venda a nova arena palmeirense. AEG, o bilionário Paulo Nobre e o próprio clube podem comprar o estádio…

 A operação Lava Jato prejudica a WTorre. Dívidas podem fazer com que venda a nova arena palmeirense. AEG, o bilionário Paulo Nobre e o próprio clube podem comprar o estádio...
O escândalo Lava-Jato é o maior da história do Brasil. Nunca na história desse país se desviou tanto dinheiro público. O esquema era simples e cruel. Grandes empreiteiras organizadas em cartel pagavam propina a diretores da Petrobras e vários outros órgãos público. Delatores dizem que a taxa cobrada por funcionários variavam entre 3% até 10% da obra.

E essa obras eram superfaturadas, dando lucros absurdos às empreiteiras. São alvos de ações penais as empreiteiras Odebrecht, Andrade Gutierrez, Camargo Corrêa, UTC, Mendes Júnior, Engevix, OAS e Galvão Engenharia. Respondem a ações civis públicas a Galvão Engenharia, Galvão Participações, Sanko Sider, Coesa Engenharia, Jackson Empreendimentos, Mendes Júnior Participações, Mendes Júnior Trading e Engenharia e OAS.

A Polícia Federal avalia em R$ 19 bilhões o prejuízo só da Petrobrás.

A partir do ano passado, quando o escândalo veio à tona, as empreiteiras e construtoras passaram a ter enormes dificuldades. Mesmo as que não enfrentam qualquer acusação. Os bancos colocam inúmeros obstáculos para emprestar dinheiro para novas obras. Há a determinação para negar. Com o medo de calote. Ou mesmo prisão dos responsáveis pelas empreiteiras. As investigações já chegaram a 18 fases. E não há perspectiva de parada. A Polícia Federal segue suas investigações em relação a políticos, membros das estatais e donos de empreiteiras.

1ae23 A operação Lava Jato prejudica a WTorre. Dívidas podem fazer com que venda a nova arena palmeirense. AEG, o bilionário Paulo Nobre e o próprio clube podem comprar o estádio...

A Folha publica hoje o que já se comentava nos bastidores do Palmeiras. A WTorre está com enorme dificuldade para manter a nova arena em parceria com o clube. São várias denúncias sérias de falta de pagamento por parte da construtora.

A WTorre já deve R$ 80 milhões à AEG, multinacional norte-americana que gerencia a arena. A empresa é bilionária e especializada em eventos em estádios. Ela tem sob contrato as maiores estrelas da música mundial. Como Rolling Stones, U2, Madonna, Kate Perry, Marron Five, Beyoncé e muitos outros.

A AEG acompanhou de perto o endividamento da WTorre. Ela já não pagou a JBL, que cuida do refinado sistema de som do estádio. A Tejofran, que retira entulho do estádio, teve de entrar na justiça para receber R$ 500 mil. A R Cervellini, fábrica de pisos e revestimentos, pediu essa semana a falência da WTorre, cobrando R$ 693 mil.

O grande motivo de desespero da WTorre seria o acordo fechado com o Palmeiras. Ele é ao contrário do Corinthians, muito favorável ao clube.

 A operação Lava Jato prejudica a WTorre. Dívidas podem fazer com que venda a nova arena palmeirense. AEG, o bilionário Paulo Nobre e o próprio clube podem comprar o estádio...

A construtora tem 30 anos para explorar o estádio. Mas cedeu em pontos fundamentais. O maior deles. Nada menos do que 100% da arrecadação dos jogos é do Palmeiras. E a média de torcedores, desde que a nova arena foi inaugurada, é de 34.500 torcedores. Em 2015, a previsão é que a arena deva gerar R$ 80 milhões em receitas. Nada menos do que R$ 20 milhões em lucros.

Se o Palmeiras chegar à Libertadores em 2016, esse dinheiro pode aumentar em pelo menos 50%...

No naming rights, venda de camarotes, alimentos e bebidas, a parte do leão ficou com a empreiteira: 95% enquanto o Palmeiras fica com 5%. Aumentando 5% a cada cinco anos. Até atingir o máximo de 20%. No aluguel para shows e eventos, a construtora fica com 80%, o clube com 20%. Mas a porcentagem vai aumentando 5% a cada cinco anos. Até atingir 45%.

O preço do estádio é de R$ 650 milhões. E há três grandes interessados. O primeiro é a bilionária empresa norte-americana, a AEG.

O segundo é o próprio Palmeiras. Embora ainda tenha perto de R$ 350 milhões em dívidas, os bancos agora facilitam qualquer grande empréstimo. O sucesso da bilheteria no novo estádio é o grande avalista. O clube só ficaria dono do estádio em 2044, por contrato.

Mas há a terceira via. Muito poderosa porque tem no comando o bilionário Paulo Nobre. Além de riquíssimo, ele é presidente do Palmeiras. Ele estaria propondo a compra da arena junto com a milionária Crefisa.

4ae19 1024x665 A operação Lava Jato prejudica a WTorre. Dívidas podem fazer com que venda a nova arena palmeirense. AEG, o bilionário Paulo Nobre e o próprio clube podem comprar o estádio...

A situação é amplamente favorável ao Palmeiras. Ao contrário do que acontece com o Corinthians. O clube fez um péssimo acordo com a Odebrecht. O custo inicial do Itaquerão era de R$ 820 milhões. Passou a R$ 1,1 bilhão.

Eram previstos R$ 420 milhões em incentivos fiscais da prefeitura de São Paulo. Só que o Ministério Público barrou esse dinheiro. Processou inclusive o ex-prefeito Gilberto Kassab por tentar ceder dinheiro público a um clube particular.

O deputado federal Andrés Sanchez tinha a certeza que traria R$ 400 milhões de naming rights. A Emirates, empresa aérea dos Emirados Árabes, seria quem injetaria esse dinheiro. Só que o acordo não foi fechado. A negociação fracassou há cinco anos.

Na pressa de finalizar o estádio para a Copa, o Corinthians abriu mão de uma arena multiuso. Ou seja, o Itaquerão não tem capacidade para promover eventos ou shows. Foi um enorme desperdício de receita. Paul Mccartney elogiou muito o estádio palmeirense. Já estão confirmadas apresentações de Kate Perry, Rod Stweart, Rolling Stones e Maroon Five, entre outros, na arena da Água Branca.

5ae13 1024x576 A operação Lava Jato prejudica a WTorre. Dívidas podem fazer com que venda a nova arena palmeirense. AEG, o bilionário Paulo Nobre e o próprio clube podem comprar o estádio...

Como em todos os estádios da Copa, o dinheiro para a construção foi emprestado pelo BNDES. Mesmo a juros especiais, mais baixos que os normais por causa da competição, eles não param de crescer. Como o dinheiro não pôde ser emprestado diretamente ao Corinthians, a Caixa Econômica foi a intermediária.

Foi criado um fundo para receber o dinheiro. E dado um prazo de 12 anos para que a dívida seja paga. A péssima avaliação para o Corinthians foi ceder, por contrato, 100% da arrecadação dos seus jogos para pagar o estádio. O que praticamente paralisou financeiramente o clube. Por isso o atraso de salários e direito de imagem aos atletas.

Com os donos da Odebrecht presos, por causa da operação Lava-Jato, o Corinthians não pode renegociar esse contrato. A transação foi altamente compensadora para a construtora.

O cenário é todo favorável à venda do estádio palmeirense. A WTorre demonstra não ter recursos para administrar a arena. E com a revelação dos processos e pedidos de falência por parte de parceiros, as instituições bancárias deverão fechar ainda mais as portas para a empreiteira.

A AEG, o Palmeiras e o bilionário Paulo Nobre podem se animar. A moderna arena encravada no coração de São Paulo pode sim ser colocada em leilão. E mudar de mãos.

Para quem tem dinheiro se mostra excelente negócio.

Ao contrário do que acontece em Itaquera.

Para desespero da cúpula corintiana...
3reproducao10 A operação Lava Jato prejudica a WTorre. Dívidas podem fazer com que venda a nova arena palmeirense. AEG, o bilionário Paulo Nobre e o próprio clube podem comprar o estádio...

Juvenal Juvêncio e Aidar têm disputa importante. Qual dos dois terá o apoio de Rogério Ceni quando parar? A única saída para o goleiro não ter de optar será trabalhar como comentarista na tevê…

1reproducao31 Juvenal Juvêncio e Aidar têm disputa importante. Qual dos dois terá o apoio de Rogério Ceni quando parar? A única saída para o goleiro não ter de optar será trabalhar como comentarista na tevê...
Os ex-presidentes do São Paulo discutem hoje o plano apresentado pelo CEO do clube, Alexandre Bourgeois. Ele foi indicado pelo empresário Abílio Diniz. As metas são conseguir recursos para enfrentar as dívidas que batem nos R$ 400 milhões. E o velho desejo de Carlos Miguel: a modernização do Morumbi.

A principal proposta é a criação de um Comitê Gestor que administrará o clube junto com o presidente do São Paulo. Algo parecido com o que o Santos esboçou com Luís Álvaro.

Só que além da mudança de gestão, há uma silenciosa e importante disputa. Não é segredo para ninguém que o clube hoje está dividido. Metade do lado de Carlos Miguel Aidar. E a outra metade com o ex-presidente Juvenal Juvêncio.

Ambos irão brigar por tudo até 2017 quando haverá nova eleição no São Paulo. Até lá algo muito importante deverá acontecer. Em dezembro, daqui cinco meses, Rogério Ceni finalmente deverá se aposentar. Ele é o maior ídolo da história do futebol do São Paulo.

São 42 anos e 24 como goleiro do único clube de sua carreira. Ele é muito mais do que um jogador. Tem espaço importante não entre os jogadores, Comissões Técnicas. Mas se tornou referência para conselheiros, dirigentes. Seu nome é a grife mais importante do Morumbi.

Ele ainda não definiu publicamente qual caminho irá seguir. Há grande possibilidade que, após encerrar a carreira, passe um ano sabático estudando para se tornar técnico de futebol.

Ou ainda decida se tornar gerente profissional de futebol. Trabalharia como elo entre a diretoria, o técnico e os jogadores. Cargo importante e de confiança daquele que for presidente do clube.

2reproducao15 Juvenal Juvêncio e Aidar têm disputa importante. Qual dos dois terá o apoio de Rogério Ceni quando parar? A única saída para o goleiro não ter de optar será trabalhar como comentarista na tevê...

Só que aliados de Carlos Miguel como de Juvenal querem contar com o ídolo ao seu lado. Nessa corrida, a vantagem parece ser de Juvenal Juvêncio. Rogério Ceni e o ex-presidente sempre foram muito ligados. Virou tradição no Morumbi, em época de eleição, o goleiro atuar de amarelo. Não por coincidência. Mas por ser a cor da tradicional chapa de Juvenal.

O ex-presidente sempre levou muito em consideração as opiniões de Ceni. Para tudo relacionado ao futebol. Até escolha de treinadores e contratações. O goleiro cansou de ser consultado. A relação é muito afetuosa. Neste período que Juvenal luta contra o câncer na próstata, o goleiro se mostrou preocupado, solidário.

Com Aidar, a relação é muito mais fria. Profissional apenas. O presidente não é um grande frequentador do Centro de Treinamento do São Paulo. Pelo contrário. Prefere que Ataíde Gil Guerreiro converse com os jogadores. Carlos Miguel só reconhece a autoridade natural que o goleiro exerce no grupo de atletas.

Ataíde deixa Rogério Ceni ainda um pouquinho mais distante da atual administração. O vice de futebol acredita que não há mais como adiar a aposentadoria do goleiro. O jogador estava acostumado com dirigentes insistindo na sua permanência. Que prolongue sua carreira indefinidamente. Ataíde, não.

O departamento de marketing de Carlos Miguel pode não ter conseguido um patrocínio master em mais de um ano de trabalho. Só que busca faturar o máximo com a despedida do jogador. Já arrumou promoções como fazer o goleiro bater bola com torcedores. O evento arrecadou R$ 880 mil.

2reproducao16 Juvenal Juvêncio e Aidar têm disputa importante. Qual dos dois terá o apoio de Rogério Ceni quando parar? A única saída para o goleiro não ter de optar será trabalhar como comentarista na tevê...

Há várias ações que estão sendo planejadas. Como lançamentos de camisa, amistosos, tentativa de reeditar a final do Mundial de 2005, com os jogadores que atuaram pelo Liverpool, despedidos em vários estados. Enfim, tudo que possa agradar o goleiro e ser muito lucrativo. Ao clube e ao jogador.

Haverá um filme, um documentário sobre o jogador. Suas conquistas, seus recordes, seus gols.

Os dois lados se articulam sabe o que significaria ter Rogério Ceni apoiando abertamente um grupo. Muricy Ramalho, por exemplo, deixa transparecer nas suas entrevistas que é muito mais próximo de Juvenal.

O que atrapalha o ex-presidente em relação a Ceni é a data da próxima eleição. Deverá acontecer nos primeiros meses de 2017. Caso Rogério pare mesmo em dezembro e não queira ficar um ano longe do futebol, a situação se mostra mais fácil para Aidar. O presidente não tem nada de ingênuo.

Oferecerá tanto a chance de ser gerente e tornar dirigente ou auxiliar técnico ou treinador de uma categoria da base. O que Rogério Ceni escolher.

4reproducao6 Juvenal Juvêncio e Aidar têm disputa importante. Qual dos dois terá o apoio de Rogério Ceni quando parar? A única saída para o goleiro não ter de optar será trabalhar como comentarista na tevê...

Embora não seja conselheiro, porque é tão importante Aidar ou Juvenal ter o jogador ao seu lado? A popularidade. Há a certeza da companhia da mídia. Rogério Ceni tem a aura da seriedade, dedicação ao clube, ao torcedor. Em setembro completará 25 anos de São Paulo. Tudo isso é muito importante.

Há ainda cinco meses para Rogério Ceni definir com calma que lado seguir. Por enquanto, ele se aplica demais para a tentativa dos seus dois últimos sonhos como jogador. Classificar a equipe para a Libertadores de 2016. E quem sabe com o derradeiro título? A chance maior é ganhando a Copa do Brasil. No longo Brasileiro, o elenco foi enfraquecido com o desmanche feito por Aidar.

A opção para Rogério Ceni não ter de escolher um lado da guerra pode estar na televisão. Marcos teve um convite para trabalhar na TV Bandeirantes como comentarista. Não aceitou. O goleiro tem grande capacidade do comunicação. Seu nome é visto com interesse por alguns executivos da Globo como comentarista.

A verdade é que Ceni será muito assediado. Convite para trabalhar no futebol não vai faltar. Escolher um lado da guerra no São Paulo. Sair de férias por um ano. Ou pensar na tevê.

O jogador de 42 anos tem apenas cinco meses para definir o seu futuro.

Cinco meses passam muito rápido.

Para quem completará 25 anos de carreira.

E para quem é tão importante na vida do São Paulo Futebol Clube...

Diretoria do Flamengo e Oswaldo de Oliveira proíbem jogadores de provocarem adversários. Por causa de Guerrero e Sheik. Os dois incendiaram o Vasco, deram mais força aos rivais na eliminação da Copa do Brasil…

1reproducao30 1024x576 Diretoria do Flamengo e Oswaldo de Oliveira proíbem jogadores de provocarem adversários. Por causa de Guerrero e Sheik. Os dois incendiaram o Vasco, deram mais força aos rivais na eliminação da Copa do Brasil...
"Quero arregaçar, quero entrar em campo e passar por cima do Vasco. Quanto vai ser o jogo? 3 a 0 para nós. Com gol meu. Se pudesse, faria os três"

"Cuidado !!! A casa está caindo !!! Eu tenho apenas 5 anos de Brasil e não 116 anos , fiz algumas coisas interessantes , CAMPEÃO: Campeonato Carioca , Campeonato Paulista ,Brasileiro , Brasileiro , Brasileiro , Recopa Sul-Americana , Taça Libertadores , Mundial de clubes , esse último poucos clubes tem !!! Imagina podendo jogar 116 anos... MUITO PRAZER, MÁRCIO PASSOS DE ALBUQUERQUE .... Apelido , EMERSON SHEIK ... Atual jogador do FLAMENGO . Minha boca está limpa e minha língua sempre muito afiada !!"

Os autores dessas provocações têm nome e sobrenome. Paolo Guerrero e Márcio Passos de Albuquerque ou Emerson, depende de quem pergunta. Os dois resolveram desmoralizar o Vasco da Gama, o último colocado do Brasileiro, e grande rival do Flamengo.

Os dois se comportavam como tivessem a certeza de eliminação do rival na partida de ontem da Copa do Brasil. Eram a garantia que o Flamengo chegaria entre os oito melhores da Copa do Brasil. Agiam como se tivesse sido um acidente a vitória vascaína por 1 a 0 no primeiro jogo.

Só que o resultado foi um desastre para o Flamengo. O empate que eliminou o rubro negro e classificou o Vasco.

1ae22 Diretoria do Flamengo e Oswaldo de Oliveira proíbem jogadores de provocarem adversários. Por causa de Guerrero e Sheik. Os dois incendiaram o Vasco, deram mais força aos rivais na eliminação da Copa do Brasil...

A partida foi problemática para os dois. Paolo Guerrero teve uma fortíssima torção no tornozelo direito e teve de deixar o jogo aos 17 minutos do primeiro tempo. "Esse jogo era meu", desabafou.

Já Sheik teve mais um surto. Diante das câmeras da Globo, que transmitia o clássico para o Rio de Janeiro. Surpreendeu o repórter Eric Faria. Ele perguntou ao atacante como o Flamengo iria se arrumar depois de perder dois jogadores Guerrero e Ederson, contundidos.

"Bom, primeiro tem que arrumar esse juiz que é muito fraco. É uma merda, merda. Esse juiz é uma merda", disse o atacante, encarando a câmera. "Que é isso, Emerson?" se espantou o repórter, enquanto o jogador virava as costas e ia embora.

Sheik repetiu a atitude no ano passado, diante das câmeras da Globo. Ele jogava no Botafogo e disse que a CBF era 'uma vergonha'. Ele foi expulso contra o Bahia, em outubro. Acabou pegando quatro partidas de suspensão.

O procurador do STJD, Paulo Schmidt, avisou que Sheik será indiciado. A dúvida é quanto ao artigo. Ou o 258 (assumir qualquer conduta contrária à disciplina ou à ética desportiva não tipificada pelas demais regras deste Código) ou no artigo 243-F (ofender alguém em sua honra, por fato relacionado) do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD). O que significa que poderá pegar suspensão de uma a seis partidas.

2ae19 Diretoria do Flamengo e Oswaldo de Oliveira proíbem jogadores de provocarem adversários. Por causa de Guerrero e Sheik. Os dois incendiaram o Vasco, deram mais força aos rivais na eliminação da Copa do Brasil...

Guerrero e Sheik são os principais jogadores do Flamengo. Sabem muito bem da dependência que o limitado elenco tem dos seus gols. O presidente Eduardo Bandeira de Mello ficou revoltado pelo clube ter sido eliminado pelo Vasco da Gama, de seu grande inimigo politico, Eurico Miranda.

A irritação ficou ainda maior porque acredita que as provocações dos dois acabaram por estimular o adversário. Jorginho soube como explorá-las. E jogaram um peso desnecessário nas costas de Guerrero. O peruano passou a se sentir obrigado a cumprir sua previsão. Teria de marcar pelo menos um gol. Ou até quem sabe, os três, de sua premonição?

Sheik estava visivelmente transtornado. Não só com o árbitro Wilton Pereira Sampaio. Mas com os erros dos seus companheiros.

Oswaldo de Oliveira também não gostou das provocações. Acredita que só deixaram seus jogadores mais tensos, nervosos.

Assim a diretoria e o treinador decidiram. A ordem é cessar provocações, declarações contra adversários. Ainda mais nos clássicos cariocas.

Os jogadores estão avisados. A proibição será generalizada. Mas tem como alvos principais, Guerrero e Sheik.

A eliminação para o Vasco.

E a provável suspensão de Sheik.

Preços caros demais ao Flamengo...

Se não fosse por Marcelo Oliveira, Gabriel Jesus teria ido embora do Palmeiras. Ao contrário de Oswaldinho, ele apostou no menino e esqueceu os medalhões… Enquanto isso, a torcida do Cruzeiro implora pela demissão de Vanderlei Luxemburgo…

1fotoarena Se não fosse por Marcelo Oliveira, Gabriel Jesus teria ido embora do Palmeiras. Ao contrário de Oswaldinho, ele apostou no menino e esqueceu os medalhões... Enquanto isso, a torcida do Cruzeiro implora pela demissão de Vanderlei Luxemburgo...
Assim que o Palmeiras fez 3 a 0, Gilvan Tavares foi aconselhado a ir embora do Mineirão. E foi o que fez. O presidente do Cruzeiro estava sendo xingado e ameaçado no seu camarote. Torcedores do atual bicampeão brasileiro estavam inconformados com o dirigente que desmanchou uma equipe excelente. A tirou da mão de Marcelo Oliveira. E a entregou para ninguém menos do que Vanderlei Luxemburgo, técnico que vem de sete demissões.

O time cruzeirense afunda no Brasileiro. Está a um ponto da zona do rebaixamento. Sobreviver ao confronto com o Palmeiras e seguir para as quartas da Copa do Brasil. Este seria o remédio para espantar a crise. Gilvan avisou o treinador. Ouviu que tudo seria diferente. Só que o presidente percebeu, aos 33 minutos, o quanto as promessas do treinador Luxemburgo se tornaram vazias.

Ao final da partida, com a eliminação da Copa do Brasil, por 3 a 2, a torcida cruzeirense mostro que o encanto com seu decadente técnico acabou. E um potente coro dominou o Mineirão.

"Adeus, Luxa. Adeus, Luxa. Adeus, Luxa."

Para variar, o treinador seguiu o mesmo script que já virou rotina. Assume time que diretoria quer um dar um choque. Acerta salários, dá entrevista coletiva, promete que colocará a equipe no eixo. Afasta algum atleta conhecido. Anima o grupo. Depois ele mesmo desanima. Começa com trocas táticas incoerentes. Opções erradas de titulares. A reação logo acaba. Passa a ser pressionado até que é demitido. Este próximo passo está perto de ser dado. Porque, também como sempre, Luxemburgo não pedirá demissão.

Sem nada a ver com isso, o Palmeiras se deleitou no Mineirão. Principalmente graças à visão de Marcelo Oliveira. Ele percebeu que contra os lentos Bruno Rodrigo e Paulo André, a melhor aposta seria Gabriel Jesus. Com o jovem habilidoso e rápido jogador, seria fácil aproveitar o presente oferecido por Luxemburgo.

 Se não fosse por Marcelo Oliveira, Gabriel Jesus teria ido embora do Palmeiras. Ao contrário de Oswaldinho, ele apostou no menino e esqueceu os medalhões... Enquanto isso, a torcida do Cruzeiro implora pela demissão de Vanderlei Luxemburgo...

E assim foi. O treinador cruzeirense preparou seu time para o ainda inseguro Lucas Barrios, o trombador Leandro Pereira e o rápido, mas péssimo finalizador, Dudu.

Mas entrou o garoto de apenas 18 anos entrou e transformou toda a partida. Deu um gol para o paraguaio, sofreu falta que valeu a justa expulsão de Bruno Rodrigo. E marcou dois gols. Um deles, sensacional. Foi o principal personagem na vitória por 3 a 2, e pela classificação às quartas de final.

"Todos me elogiaram, deram parabéns, mas não dá para ficar satisfeito. É um começo e um jogo. Pelo jeito que eu subi, pretendo fazer mais jogos assim. O celular está vibrando para caramba. Deve ser minha mãe, meus familiares, amigos..." dizia Gabriel Jesus no Mineirão.

A frase 'pelo jeito que eu subi' resume muito bem as dificuldades que enfrentou. Vale a pena reproduzir parte do texto que saiu em fevereiro deste ano no blog.

"Gabriel Jesus. Ele surgiu no Anhanguera, clube amador. Na Copa São Paulo sub-15, marcou 29 gols. Cobiçado por vários clubes, o Palmeiras se antecipou. E fechou contrato em julho de 2013, aos 16 anos, até dezembro de 2015. A promessa ganhava R$ 2,5 mil. Continuou se impondo. Marcou 37 gols em 22 partidas no Campeonato Paulista de Juniores. Sua multa rescisória se tornou baixa: R$ 3 milhões. Era um risco assinar com outro clube.

O São Paulo era o principal interessado. Conselheiros garantiram que foi ofertado ao garoto uma casa no valorizado condomínio de Alphaville, em Barueri. Bastaria ele não renovar seu vínculo com o Palmeiras. Paulo Nobre ouviu essa história e resolveu oferecer um contrato de quatro anos ao jovem atacante.

3ae29 Se não fosse por Marcelo Oliveira, Gabriel Jesus teria ido embora do Palmeiras. Ao contrário de Oswaldinho, ele apostou no menino e esqueceu os medalhões... Enquanto isso, a torcida do Cruzeiro implora pela demissão de Vanderlei Luxemburgo...

A renovação não foi fácil. Os empresários do menino sabiam que havia outros interessados. Primeiro mudaram seu nome. De Gabriel Fernando, passou a Gabriel Jesus, mais marcante. E trataram de avisar à diretoria palmeirense. Queriam uma parcela maior dos direitos de Gabriel para ele ficar. Sem saída, Nobre cedeu. Renovou o vínculo até 2019. Mas o Palmeiras ficou com apenas 30% dos direitos do jogador. O clube tinha 80%. Era isso ou o jogador não renovaria.

Seus salários saltaram para R$ 15 mil até o final do ano. Em 2016, pularão para R$ 25 mil. R$ 35 mil em 2017. R$ 45 mil em 2018. R$ 60 mil em 2019. Sua multa rescisória saltou de R$ 3 milhões para R$ 30 milhões."

Há seis meses, Oswaldo de Oliveira fechava os olhos para o menino. Os próprios companheiros de treino não entendiam. Gabriel Jesus impressionava por suas arrancadas, dribles, mas o inseguro Oswaldo preferia jogadores rodados, recém contratados por Alexandre Mattos.

Os empresários do garoto, Fabio Caran e Cristiano Simões, não se conformavam em ver Maikon Leite, Rafael Marques, Cristaldo e Leandro Pereira no ataque. Quando Alecsandro e Lucas Barrios foram contratados, chegaram à conclusão que era melhor negociá-lo. Mas um homem evitou o desperdício.

Marcelo Oliveira chamou Gabriel Jesus para uma longa conversa. O técnico trabalhou por anos na base do Atlético Mineiro. E sabe valorizar jovens talentos. Apesar de não estar no DNA do Palmeiras apostar nos seus garotos, o treinador deixou claro que, com ele, iria jogar. Desde que continuasse treinando tão bem, com tanta dedicação. Pouco importariam o dinheiro gasto por Paulo Nobre para buscar outros atacantes rodados.

 Se não fosse por Marcelo Oliveira, Gabriel Jesus teria ido embora do Palmeiras. Ao contrário de Oswaldinho, ele apostou no menino e esqueceu os medalhões... Enquanto isso, a torcida do Cruzeiro implora pela demissão de Vanderlei Luxemburgo...

Os empresários perceberam que o cenário realmente estava mudando. Marcelo Oliveira era bem diferente de Oswaldo de Oliveira. Esqueceram os contatos com empresários europeus. Decidiram acreditar no treinador e atender a vontade do menino. "Eu quero vencer no Palmeiras antes de ir jogar fora", disse o atacante.

O que aconteceu ontem no Mineirão não surpreendeu conselheiros e pessoas ligadas à base do Palmeiras. O futebol do atacante sempre mostrou talento diferenciado. Havia a eterna incerteza se o time principal daria espaço a Gabriel Jesus.

Foi até engraçada a maneira que Gabriel revelou descobrir que jogaria ontem.

"Fiquei sabendo que ia jogar, estou até desnorteado...na segunda, quando a gente treinou, né? Não, na terça, ontem. Então ele (Marcelo Oliveira) me passou tranquilidade, falou para eu demonstrar meu futebol, marcando, juntando, com compromisso, mas para jogar com a bola. Pude mostrar meu futebol. E é só o começo", prometia.

Esse é o futebol brasileiro, a vida, a sorte. Se não chegasse um treinador que acreditasse em jovens garotos, ele agora poderia estar fazendo as malas. E embarcando para a Udinese, Málaga, Eintracht Frankfurt. Qualquer time pequeno europeu, buscar seu futuro. Mas ficou e a perspectiva de sua carreira mudou.

Melhor para o Palmeiras e para o próprio garoto de 18 anos.

Gabriel Jesus precisa agradecer a coragem de Marcelo Oliveira.

O técnico bicampeão do país que Gilvan mandou embora.

Para ficar com Vanderlei Luxemburgo.

Pena que o presidente tenha ido embora antes do Mineirão.

Se não, ouviria o que a torcida pensa do 'seu' treinador.

A mesma torcida desvalorizada por Isaias Tinoco.

Não por acaso, dirigente parceiro de Luxemburgo...

O Santos impôs a terceira eliminação do Corinthians no Itaquerão. Dunga viu de perto o que Lucas Lima é capaz. 2 a 1 para a bem treinada equipe de Dorival. Acabou a Copa do Brasil para o time de Tite…

3ae28 1024x618 O Santos impôs a terceira eliminação do Corinthians no Itaquerão. Dunga viu de perto o que Lucas Lima é capaz. 2 a 1 para a bem treinada equipe de Dorival. Acabou a Copa do Brasil para o time de Tite...
Lucas Lima mostrou a Dunga no Itaquerão do que é capaz. Assim como havia feito na Vila Belmiro, o meia desequilibrou outra vez o clássico contra o Corinthians. E foi peça fundamental na vitória por 2 a 1 no Itaquerão lotado. O resultado classificou o Santos para as quartas de final da Copa do Brasil. E marcou a terceira eliminação corintiana jogando no seu novo estádio. Palmeiras no Campeonato Paulista; Guarani, Libertadores. E agora a Copa do Brasil.

"Nós sabíamos da força do Corinthians. Ainda mais jogando na sua casa. Só que acreditamos no nosso time. Entramos em campo com a convicção que tínhamos tudo para ficar com a vaga. Sabíamos o que fazer", dizia, feliz, Lucas Lima.

"Nós temos de seguir a vida. Juntar os cacos. Não podemos nos esquecer que somos líderes do Campeonato Brasileiro. É uma pena perder, mas demos o máximo para ganhar. O Santos foi bem", reconhecia Gil. "Nós temos de pedir desculpas à nossa torcida, que lotou nosso estádio, acreditou na gente. Mas não conseguimos", lamentava Renato Augusto.

"O primeiro tempo do jogo da Vila foi determinante. Nesse jogo (de volta), onde nós tomamos a iniciativa no primeiro tempo, o Santos tem um trio e atacantes letais (e aproveitou). Nessa característica da competição (gol fora de casa como desempate), o fator emocional é determinante", tentava explicar Tite.

Dorival Júnior soube explorar os pontos fracos da equipe de Tite. O treinador teve ainda na terça-feira a auspiciosa notícia que o Corinthians não teria Jadson, contundido. Soube também que Fagner e Elias poderiam ser poupados porque exames mostravam o alto desgaste muscular da dupla.

Por isso, Edílson, Ralf e Matheus Pereira em campo. O Corinthians estava enfraquecido. Principalmente em um setor que o Santos é especialista. Os lados do gramado. Edmílson é muito pior marcador do que Fagner. Isso quando está jogando, em forma. Sem ritmo, o jogador era um convite para o Santos organizar seus contragolpes. Do lado esquerdo, Uendel também não oferecia segurança defensiva. Normalmente já busca o ataque. Ainda mais com o Corinthians tendo a obrigação de buscar os gols, já que perdeu o jogo na Vila Belmiro por 2 a 0.

4ae18 1024x523 O Santos impôs a terceira eliminação do Corinthians no Itaquerão. Dunga viu de perto o que Lucas Lima é capaz. 2 a 1 para a bem treinada equipe de Dorival. Acabou a Copa do Brasil para o time de Tite...

Foi o que a torcida exigiu nos primeiros 14 minutos. O Santos teve sua saída de bola marcada. Thiago Maia e Renato tiveram de se desdobrar na marcação. Foi um sufoco mais na base do entusiasmo do que na técnica. O Corinthians mostrava nervosismo, ansioso. Queria tanto marcar logo um gol que deixava enorme buraco defensivo.

Aos 14 minutos, o plano ia por água abaixo. Graças a Lucas Lima. Ele fez um lançamento excelente para Geuvânio. Colocou a bola nas costas de Edílson e longe de Felipe. O santista desceu em velocidade e cruzou para Gabriel marcar 1 a 0. Lindo gol de uma equipe muito bem treinada. As expressões dos jogadores de Dorival denunciavam. Sabiam ter dado um passo gigantesco para a classificação.

O Corinthians não tinha forças para reagir. Não bastasse o corredor pelo lado direito, fazia falta demais Elias. Assim como Fagner, o volante foi poupado porque estaria prestes a uma contusão muscular. O meio de campo ficou previsível, mecânico. Ralf voltou ficando na cabeça da área, função limitada. Tite não colocou para seguir os passos de Lucas Lima, como se esperava. E pagou caro pelo erro.

5ae11 O Santos impôs a terceira eliminação do Corinthians no Itaquerão. Dunga viu de perto o que Lucas Lima é capaz. 2 a 1 para a bem treinada equipe de Dorival. Acabou a Copa do Brasil para o time de Tite...

Peca quem acredita que para os corintianos a Copa do Brasil não importava. Bobagem. A competição tinha um peso financeiro importante. A arrecadação no clássico foi excelente R$ 2.353.824,50.

O gol desnorteou o Corinthians. A torcida incentivava, mas o time não mostrava força de reação. A intensidade santista se impunha. E a cada roubada de bola era um perigo. Por sorte de Tite, Gabriel se contundiu e teve de ser substituído por Marquinhos Gabriel. O que mudava o estilo santista. Ele não é tão agudo quanto Gabigol.

Mesmo assim, o domínio santista foi total no primeiro tempo.

Se esperava que no intervalo, Tite fizesse mudanças profundas, significativas se quisesse tentar uma virada histórica. Ganhar por 4 a 1. Nada disso. Ele colocou Cristian no lugar de Bruno Henrique, que havia tomado cartão amarelo.

A mensagem estava mandada para os corintianos. O treinador abria mão de seguir na Copa do Brasil. Seu time seguiria a mesma tática do primeiro tempo. Melhor para o Santos. Dorival Júnior sabia que não deveria mudar. Seguir ganhando a partida nas intermediárias, com seu time tocando bem a bola, atuando de maneira compacta, veloz nos contragolpes.

Lucas Lima seguiu sendo o maestro.

5ae12 1024x600 O Santos impôs a terceira eliminação do Corinthians no Itaquerão. Dunga viu de perto o que Lucas Lima é capaz. 2 a 1 para a bem treinada equipe de Dorival. Acabou a Copa do Brasil para o time de Tite...

E foi em deles, muito bem executado, que o Santos marcou 2 a 0. A semelhança com o primeiro gol não deixa dúvida. Tudo foi preparado nos treinos fechados da Vila Belmiro. Gil, no meio de campo, erro cabeçada. Thiago Maia deu excepcional lançamento para Marquinhos Gabriel na direita. Ele desceu na velocidade e cruzou na diagonal, para a entrada de Ricardo Oliveira: 19 minutos, Santos 2 a 0.

Classificação mais do que assegurada da equipe que foi muito melhor nos dois confrontos. O Santos perdeu um pouco a concentração e pagou por isso. Edilson roubou bola de Lucas Lima. Ela chegou em Vagner Love. Ele deixou o paraguaio Romero livre com Vanderlei. O Corinthians descontou aos 27 minutos. 2 a 1. E foi só o que conseguiu.

A torcida corintiana via o time pela terceira vez ser eliminado dentro do Itaquerão. Esta acabou sendo a mais justa eliminação. O Santos de Dorival se impôs. E segue na Copa do Brasil. Fortalecido por haver eliminado o líder disparado do Campeonato Brasileiro.

Dunga dever ter gostado muito do que viu. Principalmente de Lucas Lima, grande destaque nestes dois jogos que abriram o caminho dos santista na Copa do Brasil. E acabaram com qualquer perspectiva corintiana...
3reproducao9 O Santos impôs a terceira eliminação do Corinthians no Itaquerão. Dunga viu de perto o que Lucas Lima é capaz. 2 a 1 para a bem treinada equipe de Dorival. Acabou a Copa do Brasil para o time de Tite...

A depressão de Luciano, às vésperas da operação que o deixará seis meses sem jogar no Corinthians. O Brasil segue desprezando algo cada vez mais fundamental no futebol: a psicologia…

 A depressão de Luciano, às vésperas da operação que o deixará seis meses sem jogar no Corinthians. O Brasil segue desprezando algo cada vez mais fundamental no futebol: a psicologia...
Ligamento cruzado anterior total e também no menisco lateral no joelho direito. Seis a oito meses para volta aos gramados.

Este o diagnóstico de Joaquim Grava. O médico planejou operar hoje Luciano.

Antes da cirurgia, o atleta de 22 anos mobilizou todo elenco corintiano. Ele estava muito depressivo e não parava de chorar por ter de enfrentar a operação. E o longo tempo que passará sem poder jogar futebol.

Luciano é o digno representante de uma nova safra de atletas. Tatuado, entusiasmado pelo sucesso repentino, no ano passado causou desconforto no Parque São Jorge. Diante do sucesso repentino, fila de jornalistas pedindo entrevistas, fãs implorando por autógrafos, ele tomou uma atitude que chocou a todos. Contratou seguranças.

Os jogadores mais velhos nem acreditaram quando ele chegou protegido para treinar.

Enquanto muitos ironizavam, brincavam, Sheik, fez questão de repreendê-lo.

"Eu ou o Guerrero usarmos segurança, justifica. Você, não. Ainda tem que comer muita grama para precisar de segurança. Pode parar com essa babaquice."

Um jogador do Corinthians relembra a 'dura' que Emerson deu em Luciano. O jovem atacante, sem graça, disse que mudaria sua atitude.

Mano Menezes também não gostou da maneira que reagiu diante do sucesso. Sentiu que estava deslumbrado. Se comportando como grande ídolo. O chamou para uma conversa. Mas percebeu que a situação. O Corinthians tem apenas 25% de seus direitos. Seus empresários sonhavam com Europa. Luciano acabou se deixando levar. "Mascarou", em linguajar que os jogadores tanto gostam.

 A depressão de Luciano, às vésperas da operação que o deixará seis meses sem jogar no Corinthians. O Brasil segue desprezando algo cada vez mais fundamental no futebol: a psicologia...

Quando Tite assumiu, percebeu logo o deslumbramento de Luciano. E o deixou de lado. O que irritou profundamente os empresários do atleta. Eles entraram em contato com a direção do Flamengo. O clube carioca pagaria R$ 2 milhões pelos 25% dos direitos do atacante que pertenciam ao Corinthians.

Mas o treinador corintiano percebia o talento do jogador. Não concordava com sua personalidade egocêntrica. Não autorizou a venda. Luciano, mais humilde, passou a treinar muito mais do que fazia com Mano. E foi convocado para disputar o Pan-americano do Canadá, com a Seleção Brasileira. Terminou como artilheiro da competição.

Com mais moral, estava prestes a ganhar a posição de Vagner Love. Até que, na semana passada, contra o Santos, sofreu a gravíssima contusão no joelho direito.

O golpe foi forte. O jogador quando soube da gravidade do caso desabou a chorar ainda na Vila Belmiro. Os médicos avisaram os dirigentes da necessidade de apoio psicológico a Luciano.

E foi feito assim. Joaquim Grava fez questão de explicar 150 vezes que não ficará com sequelas da operação. Será o mesmo jogador. Jussara Borges Viana, psicóloga das equipes amadoras, o apoiou. Tite também garantiu que o esperará até melhor em 2016.

 A depressão de Luciano, às vésperas da operação que o deixará seis meses sem jogar no Corinthians. O Brasil segue desprezando algo cada vez mais fundamental no futebol: a psicologia...

Mas a participação dos jogadores acabou sendo fundamental. Os atletas, concentrados para enfrentar o Santos hoje, fizeram questão de animá-lo. Um deles foi Vagner Love, seu rival de posição. Acabou sendo muito emocionantes esses encontros.

Luciano é apenas mais um atleta da elite do futebol brasileiro que deixa claro. O esporte necessita cada vez mais dos psicólogos. Eles já conseguiram chegar nos jogadores de base. Mas nos de cima, não. Há um tabu enorme.

"Eu não vou para psicólogo porque não preciso. Não sou louco", é um velho mantra de Neymar.

O coordenador da Seleção, Gilmar Rinaldi, vai pelo mesmo caminho. "Jogador rejeita psicólogo. Então não usamos. E nem pretendemos usar." Na Olimpíada de 2000, Suzy Fleury fez parte da Comissão Técnica de Luxemburgo. O fracasso do time também refletiu na psicóloga.

Na Copa de 2014, Felipão quis fazer a mesma coisa que em 2002. Chamou Regina Brandão para fazer o perfil de cada jogador. Só que o resultado foi péssimo. A Seleção do ano passado foi uma das mais descontroladas da história do futebol brasileiro.

O Corinthians mantém a psicóloga Jussara Borges Viana como 'colaboradora'. Ou seja, não faz parte da Comissão Técnica oficial. Mas é chamada quando os garotos precisam.

5ae10 A depressão de Luciano, às vésperas da operação que o deixará seis meses sem jogar no Corinthians. O Brasil segue desprezando algo cada vez mais fundamental no futebol: a psicologia...

O que mais valeu para Luciano foi a solidariedade dos companheiros, a confiança de Tite do que a assistência psicológica improvisada.

No Brasil é assim.

Mas, por exemplo, na Alemanha, não.

Hans Dieter Hermann é o psicólogo do selecionado germânico.

Há nada menos do que 13 anos.

E, ao que consta, não há nenhum louco entre os convocados por Löw...
1ap4 A depressão de Luciano, às vésperas da operação que o deixará seis meses sem jogar no Corinthians. O Brasil segue desprezando algo cada vez mais fundamental no futebol: a psicologia...

Por quê a CBF não vai parar o futebol brasileiro durante a Olimpíada, as Eliminatórias, a Copa América em 2016? E o calendário esportivo deste país terá seu ano mais caótico? Uma chance para adivinhar. Plim plim…

1reproducao29 Por quê a CBF não vai parar o futebol brasileiro durante a Olimpíada, as Eliminatórias, a Copa América em 2016? E o calendário esportivo deste país terá seu ano mais caótico? Uma chance para adivinhar. Plim plim...
Com a bênção da TV Globo, a CBF atropelou qualquer indício de bom senso em 2016. A entidade comandada por Marco Polo del Nero decidiu. O futebol brasileiro não vai parar durante as Eliminatórias e Copa América dos Estados Unidos. Mais, as quatro divisões do Campeonato seguirão durante os Jogos Olímpicos.

Tudo isso sem diminuir as 19 datas dos insignificantes Estaduais, Copa do Brasil, Campeonatos Brasileiros, Copa Verde, Copa Nordeste. Mais a Libertadores e Copa Sul-Americana. Fora amistosos. Tanto da Seleção principal quanto da Olímpica.

Uma overdose alucinante de futebol que não leva a nada. A não ser o desgaste do esporte, dos jogadores, sacrificará clubes, Seleção Brasileira, roubará a atenção da Olimpíada.

Somando nove rodadas da Copa América, seis das Olimpíadas e três das Eliminatórias, clubes nacionais ficarão desfalcados de seus atletas convocados por 18 rodadas. Isso terá influência enorme no Brasileiro. No título, no rebaixamento.

O desrespeito com a Olimpíada é um capítulo à parte. Serão cinco rodadas do Brasileiro e uma da Copa do Brasil em plenos Jogos do Rio. Corinthians, Cruzeiro, Bahia, Botafogo, Flamengo e Fluminense não poderão jogar em casa. Itaquerão, Maracanã, Engenhão, Mineirão e Fonte Nova estão cedidos para o Comitê Olímpico Internacional. Uma loucura.

Só que o desvario continua. Marco Polo del Nero avisa que os clubes que terão seus jogadores convocados para amistosos e partidas das Eliminatórias: não jogarão no dia que o Brasil estiver em campo. Mas poderão atuar no dia seguinte. Ou seja, não terão seus atletas da mesma maneira.

2ae17 1024x576 Por quê a CBF não vai parar o futebol brasileiro durante a Olimpíada, as Eliminatórias, a Copa América em 2016? E o calendário esportivo deste país terá seu ano mais caótico? Uma chance para adivinhar. Plim plim...

A CBF tem a Globo dando respaldo para tanto absurdo. A emissora tem o poder de calar a boca dos dirigentes. No próximo ano subirão as cotas que paga pela transmissão do Brasileiro. O salto será grande e valerá até 2018.

Flamengo e Corinthians. De R$ 110 milhões/ano para R$ 170 milhões/ano.

São Paulo. De R$ 80 milhões/ano para R$ 110 milhões/ano.

Vasco e Palmeiras. De R$ 70 milhões/ano para R$ 100 milhões/ano.

Santos. De R$ 60 milhões/ano para R$ 80 milhões/ano.

Atlético Mineiro, Cruzeiro, Grêmio, Internacional, Fluminense e Botafogo. De R$ 45 milhões/ano para R$ 60 milhões/ano.

Outros integrantes da Série A - De R$ 27 milhões para R$ 35 milhões/ano.

Os clubes não se revoltam porque já contam com esse dinheiro no planejamento das próximas temporadas.

4ae17 Por quê a CBF não vai parar o futebol brasileiro durante a Olimpíada, as Eliminatórias, a Copa América em 2016? E o calendário esportivo deste país terá seu ano mais caótico? Uma chance para adivinhar. Plim plim...

Na determinação que veio de cima para baixo, Marco Polo não quis seguir a sugestão de várias equipes. Principalmente a do Grêmio. O Brasileiro com turno corrido e depois mata-mata entre os oito primeiros e os oito últimos para decidir título e rebaixamento. Nem menos datas para os Estaduais. Ou paralisação do Brasileiro e Copa do Brasil durante as Olimpíadas. Nada disso.

Mas a overdose foi seletiva. Fez questão de não privilegiar a Copa Sul-Minas. Vitória da Federação Carioca, do presidente Rubens Lopes e do presidente do Vasco, Eurico Miranda. Os dois dirigentes juraram que iriam barrar a tentativa de Flamengo e Fluminense boicotar o campeonato estadual do Rio em 2016. E disputar a Copa Sul-Minas.

Seriam dez equipes Coritiba, Atlético, Grêmio, Internacional, Figueirense, Criciúma, Cruzeiro, Atlético Mineiro, Flamengo e Fluminense. Os encontros entre os presidentes das equipes estavam acontecendo. Mas Marco Polo fez o que queria as federações carioca, mineira, paranaense e gaúcha. Desprezou o torneio que indicava o nascimento de uma possível rebelião, o embrião da Liga de Clubes que a CBF tanto teme.

3ap2 Por quê a CBF não vai parar o futebol brasileiro durante a Olimpíada, as Eliminatórias, a Copa América em 2016? E o calendário esportivo deste país terá seu ano mais caótico? Uma chance para adivinhar. Plim plim...

A CBF já avisou que este calendário para 2016 é definitivo. Não aceitará mudanças. O futebol no país não vai parar durante as Eliminatórias, Copa América e Olimpíada. Terá mais partidas às 11 horas do domingo e às 21 horas do sábado.

"Esta equipe competente que está na CBF vem tomando várias atitudes para melhorar o futebol brasileiro.

"Hoje temos mais respeito em campo, com as cruzada dos árbitros contra as reclamações.

"As competições têm grandes marcas, criadas pelo nosso marketing."

As palavras são, lógico, do presidente Marco Polo del Nero.

Quanto melhor o presidente estiver com a Globo durante a CPI do futebol, ele vai ficar. Esse é um fator importantíssimo que não pode ser esquecido.

Tantos e tantos jogos serão a estratégia da Globo para tentar agradar seus patrocinadores. Quer enfrentar a queda brusca de audiência, 22 pontos nos dez últimos anos, por mais jogos. A grade estará entupida de tanto futebol.

Olimpíadas, Copa América e Eliminatórias são os principais produtos da emissora. Estaduais, Campeonato Brasileiro, Libertadores, Copa do Brasil, Sul-Americana. Amistosos da Seleção. Partidas e mais partidas para tentar manter Ambev, Itaú, Johnson & Johnson, Magazine Luiza, Vivo, Volkswagen.

2ae18 Por quê a CBF não vai parar o futebol brasileiro durante a Olimpíada, as Eliminatórias, a Copa América em 2016? E o calendário esportivo deste país terá seu ano mais caótico? Uma chance para adivinhar. Plim plim...

Em plena crise, a emissora tenta um aumento no R$ 1,6 bilhão que recebeu no ano passado.

Vale lembrar que, pela decepção com o Brasil na Copa e pela queda de audiência, a Coca Cola deixou de bancar o futebol na Globo. Foi substituída pelo Magazine Luíza.

Ou seja, este insano calendário não é por acaso.

A CBF quis agradar a Globo e os presidentes de Federações.

A Globo terá mais e mais jogos para iludir os patrocinadores.

Ela poderia vetar, moldar o calendário como quisesse.

Os clubes se calam porque ganharão mais dinheiro da Globo.

Os jogadores serão sobrecarregados.

O Bom Senso se cala.

E Marco Polo comemora...
 Por quê a CBF não vai parar o futebol brasileiro durante a Olimpíada, as Eliminatórias, a Copa América em 2016? E o calendário esportivo deste país terá seu ano mais caótico? Uma chance para adivinhar. Plim plim...

Lucas Barrios. A grande estrela que o Palmeiras contratou não consegue render. Seu estado físico é de apenas 50%. Precisaria de férias. Mas tem de jogar…

1reproducao28 Lucas Barrios.  A grande estrela que o Palmeiras contratou não consegue render. Seu estado físico é de apenas 50%. Precisaria de férias. Mas tem de jogar...
Já foram cinco partidas com a camisa 10 do Palmeiras. Desempenho pífio, nenhum gol. Ou jogada brilhante. Justo dele, que representa um investimento enorme. O maior no vasto elenco de 25 jogadores que Alexandre Mattos trouxe clube. R$ 7,3 milhões pelos direitos do jogador. Mais 1,8 milhão de euros, cerca de R$ 6,2 milhões,sem impostos, a cada um dos três anos de contrato.

Uma transação de R$ 25,9 milhões. Este o dinheiro envolvido com o argentino naturalizado paraguaio Lucas Barrios.

Donos da Crefisa se apresentaram como mecenas. Colocaram o atacante argentino, naturalizado paraguaio, porque são palmeirenses e muito amigos de Paulo Nobre. Conselheiros da oposição desconfiam que foi o bilionário presidente quem deu o dinheiro pelo jogador.

Barrios era um velho sonho de Nobre. Nasceu de uma longa conversa com o ex-treinador palmeirense Gareca. O clube observava atacantes na América do Sul. Dois nomes possíveis e caros chegaram até o dirigente. Lucas Pratto que estava no Vélez. E Lucas Barrios, no Montpellier.

Gareca não titubeou. Na sua visão, Barrios teria muito mais recursos técnicos. A negociação era mais difícil. O então executivo de futebol, José Carlos Brunoro, não conseguiu contratá-lo. Mas seu substituto, Alexandre Mattos, teve êxito. Durante a Copa América, atuando pela Seleção Paraguaia, a transação foi fechada.

Lucas Barrios é um nômade. O Palmeiras é a 12ª equipe que atua. Já passou por Argentino Junior, Tigre e Tiro Federal da Argentina; Temuco, Cobreloa e Colo Colo, no Chile; Atlas, do México; Borussia Dortmund, Alemanha; Guangzhou Evergrande, da China; Spartak Moscou, da Rússia; e Montpellier, da França.

2ap3 Lucas Barrios.  A grande estrela que o Palmeiras contratou não consegue render. Seu estado físico é de apenas 50%. Precisaria de férias. Mas tem de jogar...

Recusou se naturalizar chileno em 2008. Tinha esperança em ser lembrado pela Argentina. Acabou aceitando jogar pelo Paraguai, em 2010.

Oportunista, veloz, técnico, ótimo nas bolas aéreas. Suas qualidades são animadoras. Mas...Precisa estar muito bem fisicamente para render o que pode. E não está.

Como já disse a socialite milionária, 'o mundo é pequeno e mal frequentado'. Em um estabelecimento comercial em São Paulo, na semana passada, Lucas Barrios estava conversando com um amigo. E disse abertamente, perguntado sobre seu fraco começo no Palmeiras.

"Estou fazendo o máximo. Mas meu lado físico só está a 50%. Estou tentando me recuperar o mais rápido que consigo. Mas ainda vai demorar um pouco. Sei que o clube precisa de mim. E eu quero jogar. Mas é um processo demorado. Não depende só de vontade."

Lucas Barrios falou abertamente sem olhar ao redor. Disse o que se desconfiava no Palestra Itália. Mas não se assumia abertamente. Lá é segredo de estado. Afinal, o jogador é a maior esperança para o clube conseguir a vaga para a Libertadores da América em 2016. E brigar pelos títulos da Copa do Brasil e Brasileiro.

3ap1 1024x576 Lucas Barrios.  A grande estrela que o Palmeiras contratou não consegue render. Seu estado físico é de apenas 50%. Precisaria de férias. Mas tem de jogar...

Infelizmente o jogador tem enfrentado problemas musculares na sua carreira. Tanto que, além do aparelho de som com cds de reggaeatón e cumbia, algo é obrigatório nas suas transferências de clubes. O equipamento de quinesiologia, pequenos aparelhos que aceleram a recuperação muscular.

Está longe de ser normal um atleta carregar para a China, Rússia, França e Brasil esses aparelhos. Demonstra um pré-disposição para contusões. No Palmeiras fisioterapeutas e fisiologistas trabalham para analisar se há qualquer desequilíbrio muscular no jogador. Como havia, por exemplo, em Alexandre Pato na Europa. O Corinthians conseguiu recuperá-lo.

Enquanto vive esse processo de análise, Lucas Barrios já teve contusões musculares no Palestra Itália. Na coxa e na panturilha direitas. O caso é tratado com todo cuidado e sigilo. Por precaução, o atacante treina com bermuda elástica por baixo do calção. Para dar mais firmeza aos músculos.

Se não puder jogar amanhã, facilita o fato de o Palmeiras ter várias opções para sua posição. Leandro Pereira, Rafael Marques, Alecsandro, Cristaldo, Kelvin, Gabriel Jesus e Mouche.

Não foi por acaso que Lucas Barrios já foi poupado contra o Atlético Mineiro no domingo. Está sendo preparado com todo cuidado para tentar enfrentar o Cruzeiro amanhã. Mas não está descartada a chance de também não jogar.

Barrios veio de uma temporada inteira com o Montpellier. Emendou com a Copa América pelo Paraguai. Em seguida chegou ao Palmeiras. Todos sabem do que ele precisava. Ainda mais com 31 anos. De um mês de férias. Só que não houve essa possibilidade. Por isso, os tais 50%...

Esta é a explicação para um início tão decepcionante. A maior estrela palmeirense precisaria de mais tempo com suas máquinas de quinesiologia. Mas não há como esperar neste absurdo calendário brasileiro. Ainda mais por alguém que envolveu tanto dinheiro: R$ 25,9 milhões.

Tudo é uma questão de bom senso entre Marcelo Oliveira, Barrios e os departamentos médico, físico e fisiológico.

Colocar ou não Lucas Barrios contra o Cruzeiro?

Eis a questão...
1palmeiras Lucas Barrios.  A grande estrela que o Palmeiras contratou não consegue render. Seu estado físico é de apenas 50%. Precisaria de férias. Mas tem de jogar...

Enfrentar a ira de Neymar custou cinco anos na carreira de Dorival Júnior. Abalou suas convicções. Sofreu, se reinventou. Tirar o Corinthians da Copa do Brasil será uma das provas que o trauma acabou…

1ae21 Enfrentar a ira de Neymar custou cinco anos na carreira de Dorival Júnior. Abalou suas convicções. Sofreu, se reinventou. Tirar o Corinthians da Copa do Brasil será uma das provas que o trauma acabou...
Sua carreira vinha firme, sendo consolidada com trabalhos longos, convincentes. Seguia o caminho firme. De equipes médias, emergentes até chegar às grandes. Passou por Figueirense, Fortaleza, Criciúma, Juventude, Sport, Avaí, São Caetano. Até chegar ao Cruzeiro, Coritiba, Vasco e, finalmente, Santos.

Em 2010, Dorival Júnior fez seu trabalho mais empolgante. O que abriria as portas definitivamente para o limitado mundo dos melhores treinadores do país. Conseguiu montar uma equipe moderna, competitiva. E repleta de coadjuvantes comprometidos para que Neymar, Ganso e Robinho brilhassem.

O time venceu o Campeonato Paulista e a Copa do Brasil daquele ano. Estava desenhado para vencer o Brasileiro. O treinador já projetava a Libertadores e o Mundial de Clubes de 2011. Muricy seguiria os seus planos e conseguiria seus objetos, o sucedendo.

Até que chegou a partida contra o Atlético Goianiense, na Vila Belmiro. Jogo que deveria ser tranquilo. Até que Neymar sofreu um pênalti. Ele tentou dar um chapéu em Daniel Marques. Leandro Vuaden marcou a penalidade. Neymar era o cobrador oficial do time. Mas Dorival o estava sentindo nervoso naquela partida. Mandou o recado que Marcel cobrasse.

Neymar ficou histérico. E disse que iria cobrar de qualquer maneira. Aqui, o que cada personagem falou, naquela noite inesquecível.

"Só falando o que ele (Dorival) falou lá. Mandou (você) não bater, esqueci de falar", avisou Léo a Neymar.

" Porra! Porra, tomar no c*", respondeu Neymar.

"Que foi, que foi? Hein? Hein? Que foi? Que foi, p***? Olha aqui, eu quero falar contigo. Que foi, porra?, perguntava Marquinhos.

"Esse maluco (Dorival), rapá. Porra, não me deu o pênalti. Se f***", explicou Neymar.

Marcel cobrou e fez 4 a 2. Neymar não se conformou e começou a fazer gracinhas em campo. Edu Dracena, capitão do time, quis que ele jogasse sério. Ouviu uma dura resposta.

"Vai se f***, car***. Tomar no c*."

Marquinhos tentou acalmar novamente o atacante.
"Ei, Ney! Ei, Ney!"

Dorival Júnior começa a chamar a estrela do time.

"Ô, Ney! Que é isso?", perguntou.

"Se f***, respondeu Neymar.

"Ô, rapaz, seu moleque do c***, desabafou o treinador.

Há poucos dias, soube o que aconteceu no vestiário após esse fatídico jogo. E que faria a carreira de Dorival estagnar por cinco anos.

2reproducao14 Enfrentar a ira de Neymar custou cinco anos na carreira de Dorival Júnior. Abalou suas convicções. Sofreu, se reinventou. Tirar o Corinthians da Copa do Brasil será uma das provas que o trauma acabou...

Esta é a importante revelação. Assim que Neymar entrou no vestiário, o auxiliar do treinador, Ivan Izzo, começou a cobrar Neymar. O ex-goleiro do Palmeiras disse que ele precisava respeitar o técnico, Marcel, os companheiros, o Santos. O jovem atacante não teve dúvidas. Jogou um copo de Gatorade na cara de Ivan. O tumulto foi generalizado. O auxiliar teve de ser seguro para não brigar com o jogador.

Diante desse deplorável quadro, Dorival disse ao presidente Luiz Álvaro que queria o jogador afastado de algumas partidas. O dirigente disse que multaria o atacante e ele seguira atuando normalmente. Só que na Vila Belmiro todos tinham certeza, não haveria multa alguma. Laor não enfrentaria Neymar.

Haveria dois jogos seguidos. Guarani e Corinthians. A diretoria não queria Neymar fora de nenhuma das partidas. Brum, Marquinhos, Léo e Edu Dracena acreditavam que Dorival ficaria desmoralizado. E procuraram Laor.

4ae16 Enfrentar a ira de Neymar custou cinco anos na carreira de Dorival Júnior. Abalou suas convicções. Sofreu, se reinventou. Tirar o Corinthians da Copa do Brasil será uma das provas que o trauma acabou...

"Eles já tinham definido que o Neymar não seria punido. Fiquei triste pelo Dorival Júnior. Então fomos a sala do presidente e, após eu dizer que a decisão não seria boa para o Dorival e para o clube, o treinador resolveu pedir demissão. Então, acabei pedindo demissão junto, alegando que sairia só se o Dorival saísse”, disse o volante, que reverteu a situação com a atitude.

"Depois o Dorival me liga e diz que eles tinham aceitado afastar Neymar do jogo contra o Guarani. Mas, a diretoria me chamou e disse que eu estava demitido, e não viajei com o elenco para Campinas. Treinei separado, fui multado em 10% do meu salário, mas depois fui reintegrado", revelou Brum.

Só que veio a partida contra o Corinthians. E Dorival não queria Neymar em campo. Foi quando o presidente e grupo gestor que comandavam o Santos o mandaram embora. Preferiram ficar com o jogador. Ele sentiu todo o poder que possuía. Neymar viu os dirigentes a seus pés e o técnico que ousou não deixá-lo cobrar um pênalti no olho da rua.

6ae7 Enfrentar a ira de Neymar custou cinco anos na carreira de Dorival Júnior. Abalou suas convicções. Sofreu, se reinventou. Tirar o Corinthians da Copa do Brasil será uma das provas que o trauma acabou...

Todo esse episódio de setembro de 2010 mexeu profundamente com Dorival Júnior. O abalou psicologicamente. Sofreu. Ficou traumatizado. Seus trabalhos consistentes se tornaram decepcionantes.

Ainda mais porque se tornou um treinador caro, empresariado por Carlos Leite, o mesmo agente de Mano Menezes. Dorival sucumbiu no Atlético Mineiro, Internacional, Flamengo, Vasco, Fluminense, onde ficou apenas cinco partidas, e no clube de seu coração, o Palmeiras.

7reproducao2 Enfrentar a ira de Neymar custou cinco anos na carreira de Dorival Júnior. Abalou suas convicções. Sofreu, se reinventou. Tirar o Corinthians da Copa do Brasil será uma das provas que o trauma acabou...

Percebeu que precisava se reciclar. E, acompanhado de Vagner Mancini, foi para a Europa. Acompanhou dez dias de treinamento no Bayern de Guardiola, passou pelo Real Madrid de Ancelotti. E assistiu várias palestras. Estudou futebol. Buscou modernidade.

Se reinventou.

E esperou por um convite.

Ele veio, por ironia, do Santos. Retornou diferente. Setoristas que acompanham o dia-a-dia do clube garantem que Dorival se mostra mais seguro, firme. E, sem uma estrela do quilate de Neymar, está mais à vontade para exigir do elenco.

Com o clube mergulhado em dívidas, o grande medo era o rebaixamento no Brasileiro. O treinador tratou de montar uma equipe com grande intensidade nas duas intermediárias, velocidade, personalidade na frente. Passou confiança a Geovânio, Gabriel e, principalmente, Lucas Lima. Os veteranos Renato e Ricardo Oliveira estão jogando melhor do que eles mesmos esperavam.

34 Enfrentar a ira de Neymar custou cinco anos na carreira de Dorival Júnior. Abalou suas convicções. Sofreu, se reinventou. Tirar o Corinthians da Copa do Brasil será uma das provas que o trauma acabou...

Em dez partidas com o retorno de Dorival Júnior, o Santos venceu sete. Empatou duas. E perdeu apenas uma. Para o Palmeiras, em São Paulo. Ele assumiu o clube na zona do rebaixamento no Brasileiro, na 17ª colocação. Com dez pontos. 17 pontos depois, o time já está em 11º, a seis pontos do G4.

Na Copa do Brasil, o Santos se impôs de maneira impressionante contra o Corinthians, líder do Brasileiro. Venceu na semana passada por 2 a 0. E terá a revanche amanhã, no Itaquerão. A equipe de Tite precisará derrotar sua equipe por 3 a 0 para ficar com a vaga às quartas.

Dorival sabe o quanto será importante para ele esse clássico. Eliminar o Corinthians em pleno Itaquerão seria um resultado impressionante. O treinador sabe o quanto ainda é questionado. E também o parafuso em que se meteu desde aquela partida há cinco anos.

Neymar sempre que o encontra pede desculpas. Sabe o estrago que fez na carreira de Dorival. Enquanto está milionário no Barcelona, o técnico perdeu confiança, ficou traumatizado. Hoje nem mais trabalha com Ivan. O seu ex-auxiliar que tomou o copo de Gatorade no rosto.

Dorival está reconstruindo seu caminho. E deseja mais do que ninguém a classificação para as quartas da Copa do Brasil. Tirar o badalado Corinthians de Tite da frente.

E mostrar, que demorou.

Mas sobreviveu à ira de Neymar.

Agora quem manda no futebol do Santos é Dorival Júnior...
5reproducao5 Enfrentar a ira de Neymar custou cinco anos na carreira de Dorival Júnior. Abalou suas convicções. Sofreu, se reinventou. Tirar o Corinthians da Copa do Brasil será uma das provas que o trauma acabou...

Osório segue magoado. Não sabe se vai para o México. Enquanto isso, conselheiros se antecipam e formam frente contra Vanderlei Luxemburgo. Aidar está avisado. Se quiser problemas, leve o ‘professor’ para o São Paulo…

1reproducao27 Osório segue magoado. Não sabe se vai para o México. Enquanto isso, conselheiros se antecipam e formam frente contra Vanderlei Luxemburgo.  Aidar está avisado. Se quiser problemas, leve o professor para o São Paulo...
Os bastidores do futebol são comandados por pessoas que se portam como jogadores de xadrez. Precisam estar sempre antevendo a jogada do adversário.

No Morumbi, os aliados de Juvenal Juvêncio estão acompanhando muito interessados a falta de rumo do futebol. Principalmente a real possibilidade de Juan Carlos Osório deixar o clube. Ele continua revoltado com o desmanche que o São Paulo fez, tirando oito jogadores que estava utilizando.

O Lorde compreendeu que é sua carreira que está exposta com os vexames. Afinal, não veio ao Brasil para morrer aqui. E sim usar os holofotes para vôos maiores, como o futebol europeu. Só que já percebeu vários motivos que fazem os treinadores estrangeiros fracassarem por aqui.

Muito mais do que o calendário absurdo, a intolerância, a incompreensão com novos métodos, como o rodízio, há algo venenoso, peçonhento: o fogo amigo. Dirigentes do clube que criticam, pressionam, trabalham contra. Não bastasse a ruidosa oposição de Juvenal, há os aliados de Carlos Miguel que não toleram o colombiano.

Principalmente a sua 'frouxidão' com Paulo Henrique Ganso, Michel Bastos e Centurion, por exemplo. O meia o deixou de cumprimentar, o volante que joga de ponta direita o xingou e o atacante argentino criticou os poucos minutos que o treinador o coloca em campo.

O rodízio de jogadores, sistema que pode significar modernidade na Europa, no Morumbi significa incoerência, falta de convicção na escolha da equipe. Os diferentes sistemas táticos durante as partidas também. E é lógico, os resultados muito fracos. São 16 partidas com o treinador: 6 vitórias, três empates e sete derrotas.

O clube tem pela frente três jogos contra adversários teoricamente fracos. O Ceará pela Copa do Brasil na quarta-feira. No sábado, a Ponte Preta, no Morumbi. Na quarta, Joinville em Santa Catarina. Os dirigentes esperam três vitórias obrigatórias. Se não vierem, a pressão contra o técnico irá aumentar e muito.

 Osório segue magoado. Não sabe se vai para o México. Enquanto isso, conselheiros se antecipam e formam frente contra Vanderlei Luxemburgo.  Aidar está avisado. Se quiser problemas, leve o professor para o São Paulo...

O noticiário internacional garante que os mexicanos deram um mês de prazo para Osório decidir se quer deixar o São Paulo. Na madrugada de ontem, o técnico trocou mensagens com jornalistas amigos. E revelou toda sua mágoa pela falta de apoio no Morumbi. E principalmente pelas criticas que recebeu por e-mail de um membro da diretoria.

Osório confirmou que está sendo sondado pela Seleção Mexicana. E teria um mês para decidir se aceita ou não cargo. A proposta chegou no seu momento mais delicado. Com os jogadores irritados por sua maneira de trabalhar, seu bendito revezamento. E pela solidariedade da torcida estar se esvaindo.

O irônico de tudo isso é que nasce um movimento no Conselho Deliberativo do clube. Pessoas influentes, poderosas, com amizade com o presidente do CD, Carlos Augusto Barros e Silva, já estão se articulando. Não para salvar ou demitir Osório. O que elas querem? Que o clube não abra as portas para Vanderlei Luxemburgo.

Essas pessoas já estão antevendo o que poderá acontecer. Osório não continua no São Paulo. Demitido pelos fracos resultados, pela pressão ou pedindo para ir embora treinar a Seleção Mexicana.

Vanderlei Luxemburgo faz uma campanha vergonhosa com o Cruzeiro, atual bicampeão do Brasil. O treinador dirigiu a equipe 19 vezes. Poderia conseguir 57 pontos. Obteve 22. A diretoria e a torcida estão revoltadas com o pífio desempenho. As desculpas, sempre acusando os jogadores pelas derrotas. Uma eliminação da Copa do Brasil para o Palmeiras, quarta-feira, no Mineirão, pode ser o ponto final. Apenas um fracasso a mais para o treinador que foi demitido dos últimos sete clubes. O Cruzeiro seria apenas o oitavo.

3reproducao7 Osório segue magoado. Não sabe se vai para o México. Enquanto isso, conselheiros se antecipam e formam frente contra Vanderlei Luxemburgo.  Aidar está avisado. Se quiser problemas, leve o professor para o São Paulo...

Juvenal Juvêncio fez um juramento público. Vanderlei Luxemburgo nunca seria treinador do São Paulo enquanto o dirigente fosse presidente. E ele cumpriu o que falou. Nos oito anos que fez o que quis no Morumbi, Luxemburgo foi nome vetado.

"Ele não tem o nosso perfil. A comunidade do clube não gosta dele. Sei que ele gostaria de treinar o São Paulo. Só que comigo o Vanderlei não trabalhou e nunca trabalhará", disse o ex-presidente em 2013, quando demitiu Ney Franco.

Os membros mais tradicionais da diretoria, não só os conselheiros, mas até membros da Mesa Diretora do Conselho Deliberativo, não suportam Vanderlei. Os vários problemas que ele teve na CPI. Como a admitida falsidade ideológica, acusações de sonegação de impostos. Fora situações recentes. Como dívida em cassino nos Estados Unidos. Seu instituto de futebol falido. Site de vinho. Noitadas de pôquer. A mania de querer ser manager, vendendo e comprando jogadores. Tudo isso fez com que conselheiros se unissem. E estão decididos. Carlos Miguel Aidar terá problemas políticos se contratar Luxemburgo.

 Osório segue magoado. Não sabe se vai para o México. Enquanto isso, conselheiros se antecipam e formam frente contra Vanderlei Luxemburgo.  Aidar está avisado. Se quiser problemas, leve o professor para o São Paulo...

O vice Ataíde Gil Guerreiro tenta acalmar a todos. Garantindo que segurará Osório. E que não precisam se preocupar com Luxemburgo. Ele mesmo não gosta de Vanderlei.

"Ele é um grande técnico, mas não se enquadra naquilo que quero para o São Paulo. Quero um técnico moderno, que tenha condições de fazer uma reestruturação completa no São Paulo", disse Ataíde em maio, na TV Bandeirantes.

O grande problema é o ego de Carlos Miguel Aidar. Se fracassar o projeto do treinador estrangeiro, de Osório, o dirigente ainda pensa em Vanderlei. Se o técnico não titubeasse ao largar o Flamengo no início do ano, assumiria o São Paulo. Luxemburgo tinha certeza que ganharia espaço e teria todo o departamento de futebol da Gávea sob seu controle. A diretoria percebeu o que queria e o despachou sem dó.

No Cruzeiro, ele não está nada seguro. A comparação com o excelente trabalho de Marcelo Oliveira é cruel. Gilvan Tavares é o único na diretoria que acredita na sua promessa de montagem de time para 2016. Conselheiros e dirigentes já se cansaram de mais um dos seus 'projetos'. Perceberam o quando ele está envelhecido, assim como seus conceitos de futebol. Não é nem sombra do técnico campeão brasileiro com o clube em 2003.

52 Osório segue magoado. Não sabe se vai para o México. Enquanto isso, conselheiros se antecipam e formam frente contra Vanderlei Luxemburgo.  Aidar está avisado. Se quiser problemas, leve o professor para o São Paulo...

A situação está caminhando para o que não deu certo no início do ano se concretize. Caso Osório parta, Luxemburgo poderia sim chegar ao São Paulo. É tudo o que grande parte do Conselho Deliberativo do São Paulo não quer. Se Aidar fingir não ouvir o levante contra Vanderlei, terá muito trabalho para se reeleger. Aliás, seu mandato ficará ainda mais complicado.

Avisado Aidar já está.

Se Osório deixar o clube...

E presidente quiser problemas, contrate Luxemburgo.

Assuma que o 'professor' é a 'nova cara' do São Paulo Futebol Clube...
1 Osório segue magoado. Não sabe se vai para o México. Enquanto isso, conselheiros se antecipam e formam frente contra Vanderlei Luxemburgo.  Aidar está avisado. Se quiser problemas, leve o professor para o São Paulo...

(21h43. Assessores do presidente Aidar não podem garantir que Osório ficará. Nem irá embora. "Depende só dele", manda dizer Carlos Miguel. Pessoas próximas a Osório insistem que ele segue magoado, decepcionado. Mas que deve seguir pelo menos até o jogo contra o Ceará, quarta-feira. Depois, ninguém sabe...)

Página 1 de 54412345...Último