Massa com Raffaela e Felipinho 121117 300x243 Interlagos toca o hino da Itália no adeus de Massa

Massa, após sétimo lugar no adeus ao GP do Brasil: festa com Raffaela e Felipinho

Ele queria dar adeus a Interlagos do pódio, mas acabou em sétimo lugar sua penúltima prova na Fórmula 1, atrás de Sebastian Vettel, Valtteri Bottas, Kimi Raikkonen, Lewis Hamilton, Max Verstappen e Daniel Ricciardo.

Se não fez muito bonito ao longo das 16 temporadas na Fórmula 1, tendo como melhor marca o vice-campeonato de 2008 pela Ferrari, Felipe Massa se despediu de Interlagos tendo lá vencido duas provas, número que o iguala aos campeões Emerson Fittipaldi, Nelson Piquet e Ayrton Senna.

Massa estreou na F1 em 2002, como piloto da Sauber, e fechou o campeonato em 13º lugar.

No ano seguinte, perdeu a vaga e foi ser piloto de testes da Ferrari.

Voltou às pistas em 2004, novamente pilotando uma Sauber. Terminou o ano em 12º lugar, caindo para o 13º em 2005.

A vida mudou em 2006. Em seu primeiro ano como piloto da Ferrari, venceu os GPs da Turquia e do Brasil e conquistou o terceiro lugar no campeonato em que o heptacampeão Michael Schumacher despediu-se pela primeira vez da categoria.

Foi quarto em 2007 e vice-campeão em 2008.

Atingido na cabeça por uma peça que se soltou do carro de Rubens Barrichello no treino classificatório do GP da Hungria, não pode disputar oito provas em 2009 e acabou em 11º lugar no campeonato.

Ainda pela Ferrari, foi o sexto colocado em 2010 e 2011; o sétimo em 2012; e oitavo em 2013.

Desde 2014, corre pela Williams. Ficou em sétimo lugar no ano da estreia, em sexto em 2015 e em 11º em 2016, quando anunciou pela primeira vez que estava se despedindo da mais importante competição do automobilismo mundial.

Depois do sétimo lugar deste domingo em Interlagos, Felipe Massa se despedirá da Fórmula 1 no dia 26 em Abu Dhabi, tendo somado 11 vitórias, 16 poles e 41 pódios de 2002 a 2017.

Por ironia, Interlagos ouviu o hino da Itália para homenagear a vitória da Ferrari, a primeira desde aquela do próprio Massa em 2008.

Hoje, carregando a bandeira do Brasil, Massa ganhou aplausos da torcida após a corrida. Em seguida, foi abraçado pela mulher, Raffaela, e pelo filho, Felipinho no box da Williams. E festejou com certo exagero:

- A corrida foi maravilhosa. Consegui ultrapassar algumas posições importantes na largada, que foram cruciais para mim no fim. Depois passei o Alonso, e lutei para ficar na frente. Dei meu máximo. O resultado final foi como uma vitória. Obrigado de coração. Valeu.

O piloto brasileiro garante que desta vez a aposentadoria é para valer e, em entrevista a Ciro Campos e Felipe Rosa Mendes, publicada hoje pelo Estadão, já tinha feito questão de também festejar seu desempenho ao longo dessas 16 temporadas:

- Sou muito feliz por tudo que consegui conquistar e me sinto satisfeito e emocionado por tudo o que passei na carreira como piloto. Não mudaria nada. Não tenho nada a lamentar.

Não é o que acham os brasileiros que se encantaram com o automobilismo torcendo pelos campeões Emerson Fittipaldi, Nelson Piquet e Ayrton Senna, não comemoram um título da Fórmula 1 desde 1991 nem verão um compatriota nas pistas em 2018...

E certamente não é o que achava Felipe Massa quando perdeu por um ponto o título de 2008 para  Lewis Hamilton, o inglês que já tinha conquistado antecipadamente o tetracampeonato nesta temporada e hoje deu um show em Interlagos, largando dos boxes para chegar ao final da prova em quarto lugar, menos de um segundo atrás de Kimi Raikkonen.

http://r7.com/uP6r