Posts com a tag: Brasil

A várzea de Brasil x Argentina

BrasilxArgentina450 A várzea de Brasil x ArgentinaFaltam 615 dias para a COPA de 2014 e a última realizada na América do Sul foi a da Argentina, em 1978. Estou no esporte e na mídia há mais de 30 anos e, mesmo quando não trabalhava, sempre acompanhei o esporte e os dias de Pelé. O que aconteceu ontem não tem limites, explicação ou qualquer outra coisa.

Jogo marcado num estádio de quinta categoria onde joga um time de quarta divisão. Qualquer evento — e não me refiro a jogo de futebol, tem ensaio, teste de eletricidade etc. Fiquei com a impressão que era um jogo festivo de prefeitura de interior de um pequeno Estado, que ia vender ingressos, abrir os portões e fazer a festa. Festa? Eu vi um vexame num campo pobre, com jogadores caríssimos e sem uma coordenação de evento.

O Brasil tem tantas empresas premiadas com eventos promocionais e esportivos, por que não utilizá-las? Nomes como José Victor Oliva, Rodrigo Rivellino, Fabio Brandão, Fernando von Oertzen têm uma expertise que não pode ser ignorada. Acredito que um especialista em eventos tem que fazer parte das delegações e ajudar a checar tudo com organizadores. Checar TUDO. Prepararem-se, dias difíceis virão por aí para tristeza do futebol brasileiro. Tempos duros.

Leia mais aqui: Falta de energia cancela amistoso entre Argentina e Brasil

Veja mais:

+ R7 BANDA LARGA: provedor grátis!

+ Curta o R7 no Facebook

+ Siga o R7 no Twitter

+ Veja os destaques do dia

+ Todos os blogs do R7

 

A Olimpíada da Hebe

hebe A Olimpíada da Hebe

Hebe Camargo trabalhou em quase todos os canais. Antigos e atuais.

Tive uma partipação inesquecível num dos seus programas.

Segunda feira, 6 de agosto de 1984.

Eu estava em Los Angeles,na Olimpíada,para a final dos 800 metros rasos.

Hebe estava no estúdio da Band, em São Paulo, onde tocava seu programa na época.

Juarez Soares, chefe da retaguarda da cobertura, entrou no meu ouvido dizendo:

Na hora que você entrar, diga que Hebe está com um  lindo vestido.É Preto, com detalhes em branco e um belo colar.

Quando a Hebe me chamou, dei a descrição acima e ainda falei dos seus convidados e auditório.

O clima estava armado.

Joaquin Cruz levou 1 minutos e 43 segundos para faturar o ouro e deixar o recordista mundial da época para trás, o britanico Sebastian Coe.

Festa do Joaquim, volta com bandeira e vem o recado para correr, porque eu ainda tinha que trabalhar no vôlei masculino na Arena de Long Beach.

Juarez disse que foi ótimo e que todos no auditório vibraram muito.

Na volta ao Brasil, a diretora Aurora Prado combinou uma ida minha num programa e que a Hebe tinha adorado.

Anos depois, percebi que o programa dela nunca tinha sido interrompido por conta de uma transmissão esportiva.

Foi a Olimpíada da Hebe Camargo. A única.

 

O caminho do ouro do futebol

selecao O caminho do ouro do futebol

Terceira final olímpica do futebol brasileiro e a maior chance de vitória.

Wembley será o cenário da consagração de uma geração formada por Oscar, Lucas e Neymar.

Ao contrário de Los Angeles 84, que a base do time do Internacional não resistiu à França de Fernandez.

Dois a zero para os europeus, com o goleiro Gilmar e Dunga jogando bem.

Quatro anos depois, em Seul 88, o Brasil de Romário e Taffarel chegou bem à final olímpica, mas não tinha como vencer a experiente União Soviética.

Romário marcou e depois iria se consagrar na Copa - 94. Agora o Brasil chega bem para a decisão contra o México.

Tem estrêlas como Thiago Silva, Hulk, Oscar, Lucas e Neymar.

E Neymar pode ser o diferencial para o Brasil chegar a inédita medalha de ouro.

Único título que falta ao futebol brasileiro.

Creio na consagração do futebol com o título olímpico que vai coroar essa geração.

Brasil x México será uma final de Copa do Mundo em terras olímpicas.

E vai dar Brasil.

Veja mais:

+ Acompanhe a cobertura dos Jogos Olímpicos
+ R7 BANDA LARGA: provedor grátis!

+ Curta o R7 no Facebook

+ Siga o R7 no Twitter

+ Todos os blogs do R7

 

O triplo. Sempre o salto triplo

keila costa hg 20100314 O triplo. Sempre o salto triplo

Faltam 109 dias para os Jogos Olímpicos de Londres 2012 e o Brasil tem dois triplistas classificados.

O primeiro foi Jonathan Silva que pulou 17 m e 39 cm no torneio da Federação Paulista de Atletismo. O índice é de 17 m e 20 cm.

A segunda foi a pernambucana Keila Costa.

O índice feminino é de 14 m e 15 cm e Keila saltou 14 m e 20 cm.

Detalhe: Ela estava apenas se soltando na sua primeira competição do ano.

Keila espera pular 14,30 m daqui a dois meses.

E se continuar nessa ascensão pode chegar a final olímpica.

Jonathan e Keila fazem parte de uma estirpe de atletas que fizeram a glória do esporte.

Nomes como Adhemar Ferreira da Silva, Nelson Prudencio e João do Pulo colocaram o Brasil no mapa mundial do salto triplo.

Adhemar foi o maior de todos. Bi campeão olímpico, ele quebrou várias vezes o recorde mundial até chegar ao ouro em Helsinque -52.

No atletismo, o salto triplo é a prova do Brasil. Isso é.

Veja mais:
+ R7 BANDA LARGA: provedor grátis!

+ Curta o R7 no Facebook

+ Siga o R7 no Twitter

+ Veja os destaques do dia

+ Todos os blogs do R7

Brasil surpreende no quadro de medalhas

A princípio, todos esperavam que o Brasil se saísse bem melhor do que em Santo Domingo 2003, mas inferior ao Rio 2007.

Em Santo Domingo 2003, foram 29 ouros para o Brasil.

No Rio 2007, 54 medalhas de ouro.

40 medalhas de ouro seriam um grande resultado.

Até agora foram 47. E vem mais por aí.

O time B masculino de vôlei deu um show contra Cuba e levou o ouro.

O vôlei foi o esporte 100%.

Na praia, Alisson e Emanuel vieram cumprir tabela.

foto1 Brasil surpreende no quadro de medalhas

Juliana e Larissa passaram sufoco, mas ganharam.

As meninas, campeãs olímpicas, ganharam também.

E os homens, com o superbloqueador Gustavo garantiram o título num 3 x 1 contra Cuba.

O país do vôlei mostrou que tem nível olímpico nesse esporte.

brasil campeao Brasil surpreende no quadro de medalhas

Fomos muito bem em Guadalajara?

Sim, mas poderia ser melhor.

Algumas medalhas eram esperadas, mesmo.

Como a da Fabiana Murer no salto com vara. A campeã do mundo foi  prata.

E o futebol feminino? Que perdeu vários gols no segundo tempo e ainda tomou um gol de cabeça com a goleira no meio da área.

O basquete feminino nem é bom falar. Era o time mais forte em Guadalajara.

brasileiras choram Brasil surpreende no quadro de medalhas

A derrota foi um baque.

Já o basquete masculino veio desfalcado e já classificado para Londres 2012. Jogou sem apetite.

A fome para a vitória é fundamental num evento poliesportivo.

A ganância pela medalha constrói os mitos esportivos.

Robson Conceição Wander Roberto COB1 Brasil surpreende no quadro de medalhas

E o boxe que pegou 7 medalhas - 2 pratas e 5 bronzes - sai como vencedor.

Há um tempo a modalidade nem chegava ao pódio, agora participa de decisões.

foto2 Brasil surpreende no quadro de medalhas

O que faltou para bater Cuba?

Nada.

Cuba ganhou 59 ouros no Pan do Rio 2007 contra 54 do Brasil.

Agora não seria diferente.

Cuba ficou na frente no quadro de medalhas, só que estamos muito perto.

A virada será em Toronto 2015.

O motivo é simples: o Pan canadense será um ano antes dos jogos olímpicos do Rio 2016.

Isso fará a diferença no quadro de medalhas.

Nosso esporte olímpico vai viver um momento de aceleração.

E nós vamos conferir tudo.

Veja mais:
+ R7 BANDA LARGA: provedor grátis!

+ Curta o R7 no Facebook

+ Siga o R7 no Twitter

+ Veja os destaques do dia

+ Todos os blogs do R7

 

 

 

Milésima medalha está chegando! Questão de horas ou de ouros?

Antes de começar o Pan, muitos achavam que o Brasil não chegaria à milésima medalha em Pans.

Depois da primeira semana e o banho da natação tudo ficou mais fácil.

Os cinco ouros da vela turbinaram a nossa participação em Guadalajara, garantindo 26 ouros na primeira semana.

Cuba tem 18, mas ainda vai ganhar muitos.

Agora o tira-teima com Cuba pelo segundo lugar vai ser parelho.

Medalha a medalha.

Boxe e halterofilismo eles levam.

Judô é equilibrado.

Mas as mulheres brasileiras do atletismo podem fazer a diferença.

Afinal, Adriana da Silva correu e venceu a maratona feminina.

Veja mais:
+ R7 BANDA LARGA: provedor grátis!

+ Curta o R7 no Facebook

+ Siga o R7 no Twitter

+ Veja os destaques do dia

+ Todos os blogs do R7

Natação brasileira na corrida do ouro

Após o mundial de Xangai todos esperavam um show.

Afinal, o Brasil ganhou quatro ouros.

Mas quando ele se  torna real a sensação é bem melhor.

No primeiro dia das piscinas veio um ouro com Thiago Pereira e três pratas.

Thiago Pereira Agif 700x525 Natação brasileira na corrida do ouro

Medalhas que turbinaram o dia brasileiro e possibilitaram o melhor início de um Pan de todos os tempos.

Nunca o esporte brasileiro começou tão bem a olimpíada das Américas.

No segundo dia das competiçoes, as piscinas viram a estreia de Cesar Cielo e ainda uma dobradinha.

cielo2 t 20111017 Natação brasileira na corrida do ouro

Nos 100 m, Felipe França mostrou porque é  campeão mundial dos 50 m peito.

O segundo colocado foi Felipe Lima.

Ouro e prata para o Brasil.

E Cesar Cielo numa estreia devastadora levou os cem metros e conduziu o revezamento brasileiro para outro ouro.

Nicholas Oliveira, Nicholas Santos e Bruno Fratus garantiram a festa da torcida.

kaio450x338 Natação brasileira na corrida do ouro

Mas ainda tem mais: Kaio Márcio, Guilherme Guido,Thiago Pereira estão nas finais de hoje  e mais  festa deve vir por aí.

Veja mais:
+ R7 BANDA LARGA: provedor grátis!

+ Curta o R7 no Facebook

+ Siga o R7 no Twitter

+ Veja os destaques do dia

+ Todos os blogs do R7

Yes, nós vamos a Londres

basquete BRASIL hg 20110911 Yes, nós vamos a Londres

O final do jogo com a Republica Dominicana tirou um peso do nosso esporte.

Quinze anos fora dos Jogos Olímpicos. A maior competição mundial.

83 a 76 foi o placar, num jogo em que dominicanos mostraram força, tática e habilidade.

A vitória brasileira coloca o basquete num embate histórico: É que foi em Londres-1948 que o basquete do Brasil conseguiu a sua primeira medalha num esporte coletivo.

O pós guerra da Olimpíada de 1948 mostrou um time brasileiro forte com o jovem Algodão, que  dá o nome ao ginásio de Campo Grande - Miésimo da Silva.

Outro grande nome do Brasil de Londres-48 foi Ruy de Freitas.

Ruy tinha um estilo semelhante ao Marcelinho Huertas. Armador agressivo que invadia o garrafão e  fazia muitas cestas.

Hoje Marcelinho Huertas é o condutor  do Brasil e Marcelinho Machado, o finalizador.

Mas para mim, quem mudou o time foi o técnico argentino Ruben Magnano.

Todos os treinadores anteriores tiveram esses jogadores.

Mas só ele fez a diferença.

E justamente diante de uma das maiores equipes do mundo, a Argentina, ouro nos Jogos Olímpicos de Atenas-2004 e bronze em Pequim 2008.

Magnano forjou a geração argentina mais vencedora da história. A equipe da década 2001-2010.

Aí mudou a forma de jogar do Brasil para um estilo moderno, baseado na defesa.

Extraiu leite de pedra, pois brasileiro não gosta de defender em nenhum esporte coletivo.

Don Ruben mudou a mentalidade e conseguiu colher os frutos.

O Brasil vai para os Jogos Olímpicos e ele foi o artifice da façanha.

Um argentino nos conduziu de volta aos Jogos Olímpicos.

Agora é tentar repetir Londres 1948 e sair com uma medalha.

Afinal, a história não é a mestra da vida ?

Veja mais:
+ Curta o R7 no Facebook

+ Siga o R7 no Twitter

+ Veja os destaques do dia
+ Todos os blogs do R7

Futebol do Brasil em Londres 2012

selecao sub 20 blog Futebol do Brasil em Londres 2012


O Pré-olímpico do Peru mostrou a força dos três gigantes da América: Brasil, Argentina e Uruguai. Todos com uma incrível história olímpica.


Nas duas últimas edições dos Jogos Olímpicos (Atenas 2004 e Pequim 2008), a Argentina ficou com a medalha de ouro. Em Pequim ainda despachou seleção brasileira nas semifinais por 3 x 0, com Ronaldinho Gaúcho e Dunga no banco.


Já o Uruguai ficou 84 anos afastado do futebol olímpico. A conta é fácil - 2012 menos 84 é igual a 1928. Opa... o time foi campeão olímpico.


Uruguai se tornou a temida celeste olímpica nas olimpíadas de Paris, em 1924, e Amsterdam, em 1928. Dois ouros seguidos que deram ao país a chance de sediar a Copa do Mundo e conquistar a Taça Jules Rimet em 1930.


O filósofo já disse: “Futebol é momento”. E o momento é do Brasil.


Nossa geração sub-20 só perdeu para a Argentina porque Juan foi expulso no inicio do jogo. Na decisão contra o Uruguai, os brasileiros estavam descontraídos, soltos e passavam a bola com mais rapidez.


O time estava entrosado com santistas, como Danilo e Alex Sandro, e com os são-paulinos Lucas, Casemiro, Oscar (hoje no Inter) e Willian José ( de ida para o SPFC), além de Neymar, hoje titular da seleção principal.


Neymar, que no último jogo foi marcado por três, abriu mão da vaidade e deu o espaço que o ataque precisava. Isso bastou para brilhar a estrela de Lucas e comandar o time para uma goleada histórica sobre os uruguaios: 6 x 0. Isso mesmo, 6 x 0 contra o Uruguai, bicampeão olímpico, bicampeão da Copa do Mundo. Foi a goleada de uma geração. Ou como diria o genial dramaturgo Nelson Rodrigues: “Um placar para lavar a alma”.


Neymar se tornou o maior artilheiro de uma edição de um Sul-Americano sub-20, com nove gols. Quatro na estreia contra o Paraguai.


O Brasil estará em Londres 2012, onde será defendido por uma seleção sub-23, mas contará com Lucas, Casemiro, Willian, Bruno Vini, Danilo Alex Sandro e, claro, o craque Neymar. Aquele que na estreia brasileira contra o Paraguai, o time pálido com a estreia, botou a bola entre as pernas dos adversários, fez quatro gols e tirou o peso da estreia.


O Brasil de Londres 2012 terá quem?


Pato, Phillipe Coutinho, Sandro, André (ex-Santos), o zagueiro Sidnei do Benfica, que já foi do Internacional. Os laterais gêmeos Fabio e Rafael e o incrível Paulo Henrique Ganso. Todos esses jogadores têm idade.


Como o objetivo de Mano é ter a melhor equipe e a preparação para a Copa 2014, ele deve levar três jogadores com mais de 23 anos. Acho que levará um goleiraço como Julio César e a atual dupla da zaga brasileira David Luiz e Thiago Silva.


Com esse time, uma das maiores gerações da história olímpica do futebol brasileiro poderá trazer o Oscar dos jogos olímpicos: a medalha de ouro.


Veja mais:


+ Siga o R7 no Twitter
+ Veja os destaques do dia
+ Todos os blogs do R7

Próximas copas: 2018 e 2022, a escolha é agora

A Europa está na expectativa para o anúncio das sedes das próximas copas, pós-Brasil 2014.

Na próxima quinta feira (2), o destino do futebol mundial estará definido numa única reunião.

Pela primeira vez, duas sedes de Copa serão anunciadas numa única tacada.

2018 tem vários concorrentes de peso:

Rússia, Inglaterra, Estados Unidos, Bélgica, Holanda e a candidatura mais simpática aos brasileiros, a ibérica Portugal-Espanha.

Inglaterra, Estados Unidos e Espanha já sediaram mundiais.

Inglaterra, em 1966, a copa do futebol força, das faltas e dos jogadores famosos caçados em campo com faltas sucessivas.

Estados Unidos, em 1994, a copa de Romário e do futebol de resultado. O time de Parreira controlando a bola e o jogo.

Espanha, em 1982, a copa da maravilhosa seleção de Tele, com Falcão, Junior, Zico e Sócrates perdendo para a defesa italiana e o contragolpe de Paulo Rossi.

Qualquer uma dessas candidaturas tem chance, mas as mais fortes são a da Inglaterra e seus estádios maravilhosos e a de Portugal-Espanha.

A Copa de 2018 será na Europa depois de África do Sul 2010 e Brasil 2014.

2022 terá os derrotados europeus de 2018, mais Austrália, Japão e Coreia do Sul e Catar.

Pelo cenário e candidatura repetida de Japão e Coreia do Sul, a Europa poderá ter duas copas seguidas como nos anos 50 com Suíça, em 1954 e Suécia, em 1958.

Vamos esperar.

Veja mais:

+ Leia mais sobre esportes no R7
+ Siga o R7 no Twitter
+ Veja os destaques do dia
+ Todos os blogs do R7

Página 1 de 212